(Imagem: Pixabay)

petróleo já recua mais de US$ 3 na cotação do vencimento mais próximo na Bolsa de Londres. Pela manhã perdia pouco mais de US$ 1,20.

O cenário, que está deixando o barril do Brent em US$ 61,89, menos 4,59%, às 13h30 (Brasília), é a compensação que o possível aumento da produção está dando sobre as projeções de maior consumo nos Estados Unidos.

Em reunião na quinta-feira, a Organização dos Países Produtores de Petróleo, e seus aliados, conhecidos por Opep+ mostraram sinais de relaxamento nos cortes de produção a partir de maio, oferecendo volumes maiores do que estão operando hoje.

Em paralelo, o Irã está bombeando mais também.

No ambiente de volume maior de etanol chegando ao mercado, com a safra iniciada do Centro-Sul, o biocombustível pode ficar pressionado se consolidada a tendência de queda do petróleo e a gasolina não sofrer reajustes – ou, pior, sofrer quedas nas refinarias.

E a gasolina já se encontra defasada, segundo a Abicom, que reúne os importadores, de R$ 0,16 o litro em levantamento do último dia útil da semana passada.

Fonte: Money Times

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Diesel: Corte de R$ 0,33/litro por 2 meses é teste para suspensão definitiva

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira que a suspensão da cobrança do PIS/Cofins sobre o diesel por dois meses servirá para que o governo encontre formas de zerar em definitivo a cobrança de impostos federais sobre o combustível.

‘Entregamos nossas promessas’, diz presidente demitido da Petrobras ao anunciar lucro de R$ 59,9 bi

A Petrobras reverteu no quarto trimestre de 2020 os prejuízos recordes provocados…

Distribuidoras atenuam liquidação do etanol, mas não muda a falta de liquidez da cadeia

O valor do litro de etanol hidratado nesta terça amenizou os tombos que está sofrendo repetidamente na oferta das distribuidoras, na comparação com os 6,42% do dia anterior.