© Reuters.

Investing.com – O rali do petróleo acabou por enquanto? É muito cedo para dizer, mas os preços do petróleo caíram mais de 3% segunda-feira na primeira grande liquidação em 10 dias em um mercado, dizem alguns, que se tornou cada vez mais desconectados dos fundamentos da demanda, apesar do otimismo em relação à reabertura econômica do Covid-19.

“Quando os CTAs ficarem ‘muito longos’, o mercado sofrerá um retrocesso”, disse Scott Shelton, corretor de futuros de energia da ICAP em Durham, Carolina do Norte, quando a queda de preços chegou, após o salto de 300% no WTI e 170% de recuperação no Brent em relação aos mínimos de abril.

O colunista de petróleo da Reuters, John Kemp, fez uma observação semelhante em seu comentário de fim de semana.

“Os fundos de hedge começaram a moderar sua alta em relação ao petróleo depois que os preços futuros do petróleo dobraram desde o fim de abril”, escreveu Kemp. “Os preços do petróleo estão se aproximando dos níveis esperados para retomar a produção de shale e há preocupações de que o rali esteja superando a recuperação da demanda”.

Os contratos negociadas em Nova York WTI caíram US$ 1,35, ou 3,41%, para US$ 38,20 por barril às 16h04. Foi a primeira grande queda no WTI desde 28 de maio e vem mais de um mês após o benchmark para os EUA chegar às mínimas próximo a US$ 10 o barril em 28 de abril, após a liquidação induzida pela pandemia de coronavírus.

Os contratos negociados em Londres Brent, a referência mundial em petróleo, caíram US$ 1,52, ou 3,59%, para US$ 40,78. No caso de Brent, foi a maior queda diária desde 27 de maio.

O rali das últimas seis semanas foi apoiado por cortes nas plataformas e paralisações de poços nos EUA. Reduções na oferta global de até 9,7 milhões de barris por dia visadas pela Opep e aliados – e confirmadas por mais um mês pelo cartel no sábado – também ajudaram. Além do rali, houve uma subida inesperada nos EUA dos números de empregos em maio informados na semana passada pelo Departamento do Trabalho, apesar de muitas empresas permanecerem fechadas durante o mês.

A correção de segunda-feira ocorreu quando a empresa de inteligência de mercado Genscape relatou a queda de 2 milhões de barris em estoques de petróleo bruto no centro de Cushing, Oklahoma, que armazena petróleo entregue com contratos vencidos do WTI.

Mas enquanto os declínios nos estoques de petróleo bruto e a produção continuarem, a fraca demanda por gasolina e diesel estava se tornando óbvia demais para ser ignorada, disseram alguns.

“O diesel é o barômetro da atividade econômica … a demanda está no chão”, disse Bob McNally, da consultoria Rapidan. “Até que você veja os estoques de diesel diminuindo, haverá um ponto de interrogação sobre a recuperação da demanda”.

A AIA informou que estoque de gasolina subiu 2,8 milhões de barris na semana passada, contra a previsão dos analistas de um aumento de apenas 1 milhão de barris.

Mais surpreendentes foram estocados destilados liderados por diesel. Estes subiram 9,9 milhões de barris, em comparação com as expectativas de uma alta de cerca de 2,7 milhões de barris. Somente os estoques destilados aumentaram mais de 51 milhões de barris nas últimas oito semanas.

Em contraste com aqueles, a produção de petróleo caiu quase 2 milhões de barris em relação aos recordes de 13,1 milhões de barris por dia em meados de março.

E estoques de petróleo bruto como um todo caíram inesperados 2,1 milhões de barris na semana passada. Mas esse declínio também foi compensado por uma construção de 4 milhões de barris na Reserva Estratégica de Petróleo, que representa suprimentos de emergência de petróleo mantidos pelo governo.

Fonte: Investing.com

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Preços do petróleo sobem no último dia de um mês “montanha-russa”

Os preços do petróleo tiveram novo salto nesta quinta-feira, após diversos produtores afirmarem que vão reduzir bombeamento.

ENTREVISTA-BR nota melhora na demanda por etanol e gasolina, mas ainda vê queda de até 35%

A BR Distribuidora, a maior empresa do setor de distribuição de combustíveis do Brasil, notou alguma recuperação na demanda pela gasolina e etanol distribuídos pela empresa nos últimos dias.

Petrobras reduz diesel na refinaria em 7% a partir de sexta; gasolina cairá 5%

A Petrobras (SA:PETR4) reduzirá os preços médios do diesel em suas refinarias…