Petróleo apaga ganhos iniciais com dólar mais forte e preocupações de demanda

Os preços do petróleo apagaram os ganhos anteriores e caíram na manhã de terça-feira, com o aumento do dólar americano e as preocupações com a demanda pesando sobre o sentimento do mercado.

A partir das 8h40 EDT de terça-feira, o preço imediato do benchmark dos EUA, WTI Crude , caiu 1,78% para $ 67,97. O petróleo Brent , o benchmark internacional, estava perdendo 0,98% e era negociado a $ 71,42.

No início da terça-feira, os preços do Brent subiram depois que a China relatou importações mais fortes de petróleo no mês passado.

O maior importador de petróleo bruto do mundo viu suas importações em agosto aumentarem 8 por cento mês a mês. As refinarias chinesas importaram cerca de 10,49 milhões de barris por dia (bpd) de petróleo em agosto, ante 9,71 milhões de bpd em julho, de acordo com dados oficiais da alfândega compilados pela Reuters.

As gigantes estatais do petróleo chinesas aumentaram as importações no mês passado para processar mais petróleo, à medida que a demanda por óleo combustível aumenta no país.

Apesar das notícias otimistas de importação de petróleo da China, os preços do Brent inverteram o curso durante o dia e caíram durante a manhã, hora dos EUA, com a valorização do dólar. Um dólar mais forte torna a compra de petróleo mais cara para os detentores de outras moedas.

Os preços do petróleo também foram pressionados pelo profundo corte saudita em seus preços para a Ásia em outubro, o que sinalizou que o maior exportador de petróleo do mundo quer manter sua participação de mercado em seu mercado mais importante, e que a demanda asiática pode não ser tão forte quanto o esperado .

Algum suporte aos preços do petróleo veio das contínuas interrupções no Golfo do México, que continua lutando para retornar uma parte significativa de sua produção de petróleo bruto mais de uma semana depois que o furacão Ida atingiu a Louisiana em 29 de agosto.

Até 1,526 milhão de bpd de produção de petróleo no Golfo do México dos Estados Unidos foi encerrado na segunda-feira, de acordo com dados do Bureau de Segurança e Fiscalização Ambiental (BSEE). O volume fechado representa 83,87% da produção de petróleo do Golfo do México.

CBios já subiram quase 45% em setembro na B3

Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) romperam a estabilidade registrada desde o início do ano, período em que se mantiveram abaixo de R$ 30 por tonelada de carbono, e dispararam em setembro na B3.

Preço dos combustíveis deve continuar elevado em 2022, diz XP

A XP divulgou projeção de alta para os combustíveis, que devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses, considerando a alta do preço do petróleo no mercado internacional, câmbio em R$ 5,20 no ano e em R$ 5,10 em 2022 e escassez de etanol, que são utilizados para reajustar preços na Petrobras.

Defasagem dos preços da gasolina diminui, mas do diesel se mantém, aponta Abicom

Os preços da gasolina praticados pela Petrobras no mercado brasileiro hoje têm uma defasagem média de 6% em relação aos preços internacionais, apontou levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).