Petróleo avança de olho em Opep+, mas não evita 1ª queda semanal desde agosto

O petróleo fechou am alta após sessão volátil nesta sexta-feira, 29, marcada por ajustes de posição por operadores antes da reunião ministerial da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+). O avanço de hoje, no entanto, não foi suficiente para evitar a primeira semana de baixas nos contratos em Nova York e Londres desde agosto passado.

O barril do petróleo WTI com entrega prevista para dezembro fechou em alta de 0,92% (+US$ 0,76) na New York Mercantile Exchange (Nymex), a US$ 83,57, enquanto o do Brent para o mês seguinte subiu 0,07% (-US$ 0,06) na Intercontinental Exchange (ICE), a US$ 83,72. No acumulado semanal, houve quedas de 0,23% e 1,29% nos contratos, respectivamente.

A commodity energética oscilou entre perdas e ganhos durante toda a sessão, à medida que investidores se preparam para a reunião de cúpula da Opep+ na próxima quinta-feira. O Commerzbank julga como improvável uma mudança na oferta do cartel após o encontro, e os países produtores seguiram com o plano de acréscimo mensal de 400 mil barris por dia (bpd) ao suprimento global.

Em relatório, o banco alemão destaca falas recentes de autoridades de Arábia Saudita e Argélia que indicam manutenção da política da Opep+, mantendo, também, o cenário de oferta global apertada. Segundo o analista Edward Moya, da Oanda, o petróleo desfruta de um apoio massivo por conta deste cenário, o que não deve mudar a menos que “ações relevantes” sejam anunciadas na conferência climática da Organização das Nações Unidas (ONU), a COP26, que começa no próximo domingo (31).

Moya também destaca que a disparada recente nos preços da commodity refletiu nos lucros das petroleiras americanas ExxonMobil (NYSE:XOM) (SA:EXXO34) e Chevron (NYSE:CVX) (SA:CHVX34), que “estão redirecionando os ganhos para dividendos e recompras, restringindo os investimentos em novos poços”.

Entre os impactos para as economias de países emergentes, a Capital Economics não vê o aumento nos preços como algo preocupante para a Índia, um dos maiores importadores globais do óleo. Isso porque a consultoria estima que o suprimento global se recuperará no ano que vem, pressionando os contratos para baixo. Este mesmo movimento, segundo a casa, colocará a posição externa de emergentes produtores, como o Brasil, em situação menos favorável.

Petróleo avança de olho em Opep+, mas não evita 1ª queda semanal desde agosto

Produção de etanol anidro cresce 22,3% no Nordeste, diz NovaBio

Com a safra 2021/22 em andamento, dados compilados pela Associação dos Produtores de Açúcar, Etanol e Bioenergia (NovaBio) sinalizam que a moagem de cana no Norte-Nordeste atingiu 28,67 milhões de toneladas no acumulado até 15 de novembro.

Valor do petróleo cai 2% e Petrobras ganha espaço para cortar preços no Brasil

O preço do barril de petróleo tipo brent atingiu os US$ 67,44 nesta quinta-feira, 2, o que representa uma queda de 2,08% em relação aos valores praticados na data anterior.

Abastecer com GNV rende quase o dobro que gasolina e etanol, aponta Abegás

Um levantamento da Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado (Abegás) mostra que, atualmente, o Gás Natural Veicular (GNV) tem rendido quase o dobro da gasolina e do etanol.