Imagem: Reuters

Os preços do petróleo subiam nesta quinta-feira (10) com o Brent, referência internacional, ultrapassando os US$ 49 por barril por esperanças de uma recuperação mais rápida da demanda após a liberação de vacinas para Covid-19, o que compensou um grande aumento nos estoques dos Estados Unidos.

O Reino Unido começou a vacinação nesta semana, enquanto nos Estados Unidos as aplicações podem começar ainda no final de semana. O Canadá aprovou na quarta-feira sua primeira vacina e disse que as primeiras doses devem ser entregues a partir da próxima semana.

O petróleo Brent subia 0,73 dólar, ou 1,49%, a 49,59 dólares por barril, às 8h05 (horário de Brasília).

O petróleo dos Estados Unidos avançava 0,63 dólar, ou 1,38%, a 46,15 dólares por barril.

Os preços subiam mesmo após o último relatório dos Estados Unidos sobre estoques de petróleo ter mostrado um aumento de 15,2 milhões de barris, contra expectativa de analistas de queda de 1,4 milhão de barris.

“Os últimos dados excederam todas expectativas pessimistas”, disse Tamas Varga, da corretora PVM. “A teimosia dos altistas do petróleo e sua confiança no impacto econômico positivo do lançamento da vacina são realmente notáveis.”

Também houve algum apoio para as cotações por preocupações com um ataque sobre um campo de petróleo no Iraque. Dois poços em um pequeno campo pegaram fogo após ataques com explosivos na quarta-feira, mas a produção em geral não foi afetada.

Fonte: Reuters

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

ANP aprova consulta pública sobre possibilidade de venda direta de etanol do produtor ao revendedor

A Diretoria Colegiada da ANP aprovou ontem (1/10) consulta pública, por 45 dias, sobre a minuta de revisão pontual da Resolução ANP nº 43/2009.

ANP retoma levantamento de preços de combustíveis após 2 meses e aponta alta de 2% na gasolina

Previsão era que pesquisa ficasse suspensa por duas semanas após encerramento de contrato com empresa que realizava o levantamento; etanol subiu quase 7% desde agosto.

Consumo de combustíveis em março mostra impactos iniciais da pandemia

Queda na demanda por combustíveis do Ciclo Otto foi de 14% no comparativo com o mesmo período de 2019