(Imagem: Pixabay)

Por Devika Krishna Kumar

NOVA YORK (Reuters) – O petróleo ampliou os ganhos nesta sexta-feira, com o Brent, referência global, atingindo 72 dólares o barril pela primeira vez desde 2019 em meio à disciplina da Opep+ na oferta e à recuperação da demanda, que compensaram preocupações com o ritmo desigual da vacinação contra Covid-19 ao redor do mundo.

A Organização de Países Exportadores de Petróleo e seus aliados, conhecidos como Opep+, afirmaram nesta terça-feira que manterão seu acordo de restrição de oferta.

Um relatório semanal sobre oferta mostrou na quinta-feira que os estoques de petróleo dos EUA caíram mais que o esperado na semana passada.

Os preços aumentaram a alta após dados dos EUA mostrando crescimento dos empregos fora do setor agrícola em 559 mil vagas no mês passado. O dólar perdeu força com o relatório, o que torna o petróleo mais barato para detentores de outras moedas e apoia suas cotações.

O petróleo Brent avançou 58 centavos, ou 0,8%, para fechar em 71,89 dólares o barril, após atingir 72,17 dólares, a máxima desde maio de 2019.

O petróleo dos EUA (WTI) subiu 81 centavos, ou 1,2% para encerrar a 69,62 dólares. A máxima da sessão foi de 69,76 dólares, maior nível desde outubro de 2018.

Os preços do petróleo também foram apoiados pela informação de que empresas de energia dos EUA cortaram nesta semana o número de plataforma de óleo e gás natural operacionais, pela primeira vez em seis semanas, segundo dados da empresa de serviços do setor Baker Hughes.

“Após muito tempo, o petróleo aparenta ter encontrado um novo lar acima dos 70 dólares”, afirmou o corretor de petróleo PVM, Stephen Brennock. “O verão e abertura da economia global são altistas para a demanda por petróleo na segunda metade do ano”.

O Brent avançou cerca de 3% na semana, enquanto o petróleo dos EUA obteve ganhos de quase 5%. É a segunda semana de ganhos para ambos os contratos.

Uma desaceleração nas negociações entre os Estados Unidos e o Irã sobre o programa nuclear dos iranianos também impulsionou o petróleo nesta semana, ao reduzir expectativas de um retorno da oferta do país islâmico ao mercado.

Fonte: Reuters

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

No estado onde até ambientalista não usa etanol, de tão caro, governo quer novas biomassas

O preço médio do etanol no Rio Grande do Sul está em torno de R$ 5,65. Há picos de R$ 6 em algumas cidades. De R$ 1,50 a R$ 2,00 acima da mediana paulista. Tradicionalmente, quando não é o biocombustível mais caro do País, como agora, disputa com alguns estados do Norte e Nordeste, pelos dados coletados da ANP e da empresa Ticket Log.

Opep+ mantém política de produção; preços do petróleo avançam para máxima de 1 ano

A Opep+ decidiu, em reunião nesta quarta-feira, manter sua política de produção de petróleo.

Etanol confirma alta expressiva na indústria e paridade com a gasolina passa dos 70%

Sem frete, sem ICMS e sem PIS/Cofins, o litro do etanol hidratado fechou a semana em R$ 2,9983 nas usinas e destilarias paulistas, em expressivo reajuste de 4,17%.

Comissão debate impacto de aumento nos preços dos combustíveis; acompanhe

A Comissão de Legislação Participativa debate nesta segunda-feira (24) o impacto social dos altos preços dos derivados de petróleo. A audiência pública foi proposta pelos deputados do PT João Daniel (SE), Patrus Ananias (MG), Erika Kokay (DF), e Zé Carlos (MA).