© Reuters.

Investing.com – Os preços do petróleo caíram até 3% na semana, enquanto as preocupações com a demanda por combustível no verão compensaram as notícias de que a Europa parecia estar finalmente virando a esquina com vacinas para a Covid-19.

A Alemanha dobrou o número de vacinações diárias, a França atingiu um marco importante de imunização uma semana antes do previsto e a Itália decidiu aliviar as restrições à medida que as taxas de contágio diminuem, segundo notícias na sexta-feira (9).

No entanto, tanto o petróleo bruto dos EUA quanto o Brent caíram mais de US$ 1,50 por barril na semana devido às preocupações sobre como a demanda por gasolina, diesel e combustível de aviação se sairá no segundo trimestre, que normalmente marca a retomada sazonal de viagens que dura até o início de o terceiro trimestre.

Para ser justo, grande parte da queda de preço da semana foi devido a uma queda de 4% na segunda-feira, com os investidores reagindo a uma decisão da aliança de produtores Opep+ de aliviar os cortes de produção entre maio e julho, apesar de uma perspectiva menos otimista para o segundo trimestre.

Embora os preços do petróleo tenham se recuperado das baixas de segunda-feira, sua recuperação foi muito fraca para fazer a diferença, em face dos problemas intermitentes na Europa.

“A perspectiva da demanda de petróleo bruto para a Europa e os mercados emergentes ainda é confusa e, até que o otimismo retorne, os preços do petróleo podem permanecer pressionados”, disse Ed Moya, que chefia a pesquisa de mercado dos EUA para a corretora online OANDA. “O petróleo terá um ambiente de comércio instável nas próximas semanas.”

O West Texas Intermediate negociado em Nova York, a referência para o petróleo dos EUA, caía 28 centavos de dólar, ou 0,5%, para US$ 59,32 por barril às 16h08 (horário de Brasília) de sexta-feira. Na semana, o WTI caiu 2,5%.

O Brent, negociado em Londres, a referência global para o petróleo, caía 23 centavos, ou 0,4%, na sexta-feira, sendo negociado a US$ 62,97. Na semana, o Brent caiu quase 3%.

No início desta semana, notícias sobre a pandemia de Covid-19 mostraram que a variante do vírus no Reino Unido continuou a infectar partes da Europa – com a Polônia tendo 60 vezes mais casos do que um ano atrás.

A Índia, terceiro maior comprador de petróleo depois da China e dos Estados Unidos, registrou um recorde de mais de 100.000 novas infecções diárias no fim de semana.

Os preços do petróleo também ficaram sob pressão depois que o Irã abriu negociações com potências globais em Viena nesta semana para encontrar uma maneira de encerrar as sanções de dois anos dos EUA ao seu petróleo impostas pelo antigo governo Trump.

A Casa Branca, agora sob o governo do presidente Joseph Biden, concorda em acabar com as sanções, desde que Teerã dê provas de que seu programa nuclear não é capaz de produzir uma bomba atômica. O Irã, no entanto, está exigindo que as sanções sejam removidas antes de fazer tais concessões.

Apesar das diferenças entre os dois lados, as negociações progrediram quase todos os dias desde que começaram na terça-feira, segundo relatórios.

O Irã disse que poderia retornar “em alguns meses” ao pico de sua produção de petróleo de quase 4 milhões de barris por dia, uma vez que as sanções fossem suspensas. Fontes familiarizadas com a produção de petróleo do país estimam atualmente sua produção em cerca de 2 milhões de barris diários.

Analistas dizem que a oferta adicional do Irã, quando vier, forçará uma reconfiguração da oferta global de petróleo que pode ser mais baixa do que alta.

Fonte: investing.com

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Petróleo fecha em baixa, com cautela por covid-19 e Opep na mira dos EUA

Os contratos futuros de petróleo fecharam em baixa nesta terça-feira, 20, em sessão marcada por aversão ao risco nas mesas de operações.

Petrobras deve registrar receita de 29% maior, puxada pela alta do petróleo

Os resultados financeiros da Petrobras, no primeiro trimestre de 2021, devem refletir os efeitos positivos da alta nos preços do barril de petróleo.

Bolsonaro desafia Doria a zerar imposto sobre combustível

O presidente da República, Jair Bolsonaro, desafiou nesta sexta-feira, 15, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), a reduzir os impostos estaduais sobre combustíveis.

Petróleo consegue recuperação por mero (e de verdade) acidente de percurso

A ladeira abaixo do petróleo tinha tudo para continuar nesta quarta (24) não fosse o encalhe de um navio no Canal de Suez, interrompendo a navegação por onde passa boa parte do suprimento mundial.