(Imagem: Pixabay)

Os preços do petróleo recuaram nesta terça-feira, pressionados pela reabertura do Canal de Suez para o tráfego de navios e por um rali do dólar.

As atenções do mercado, enquanto isso, passaram a se voltar para a reunião ministerial da Opep+, na qual analistas esperam que o grupo concorde em prorrogar seus atuais cortes de produção, dadas as perspectivas fracas de demanda.

O petróleo Brent fechou em queda de 0,84 dólar, ou 1,3%, a 64,14 dólares por barril, enquanto o petróleo dos Estados Unidos (WTI) recuou 1,01 dólar, ou 1,6%, para 60,55 dólares o barril.

Navios voltaram a trafegar pelo Canal de Suez um dia após o desencalhe do porta-contêineres Ever Given, que bloqueou a passagem por quase uma semana. O congestionamento de 422 embarcações pode ser liberado em três dias e meio, segundo o presidente do canal.

“Os ganhos que se acumularam durante o bloqueio de Suez tiveram vida curta, como esperado, e agora estão sendo devolvidos com o retorno gradual do tráfego normal”, disse Louise Dickson, analista de mercados de petróleo da Rystad Energy.

O dólar, por sua vez, avançou frente a importantes moedas, atingindo uma máxima de um ano em relação ao iene. Isso também afetou as cotações do petróleo, já que a valorização da divisa norte-americana torna a commodity mais cara para detentores de outras moedas.

Em meio à diminuição das preocupações com uma escassez de ofertas físicas, o mercado se prepara para acompanhar de perto a reunião de quinta-feira entre a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e seus aliados, que formam o grupo conhecido como Opep+.

Fonte: Reuters

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Produção de petróleo da Petrobras cresce 9% no ano mesmo com pandemia

Com retomada da economia, refinarias também apresentam bom desempenho

Petrobras: os 5 fatores que vão movimentar as ações nos próximos meses após uma semana decisiva para a estatal

Quem olha só para o desempenho das ações da Petrobras (PETR3; PETR4) na sessão da última quarta-feira (14), com ganhos de cerca de 1,5%, poderia imaginar que o pregão foi relativamente tranquilo para a companhia, com a alta dos ativos durante boa parte da sessão.

Etanol ultrapassa o limite da paridade com a gasolina e deixa de ser competitivo nos postos

Custando o equivalente a 70,7% do preço da gasolina, renovável chega ao mesmo ponto de abril de 2018; nos estados, preço médio é competitivo apenas em São Paulo, Mato Grosso e Minas Gerais

Distribuidoras aumentam vendas de etanol em 2019, reduzindo a gasolina

Ranking mostra quais foram as companhias que mais apostaram no etanol durante o ano passado