Petróleo cai com temores da demanda chinesa

Os preços do petróleo caíam na segunda-feira, ampliando as perdas acentuadas da semana passada com temores que as restrições relacionadas à Covid-19 na China atrasem a recuperação da demanda por petróleo.

Às 13h45, os contratos futuros do petróleo WTI, cotado em Nova York, eram negociados com baixa de 2,64% a US$ 66,48 por barril, depois de cair quase 7% na semana passada, o maior recuo semanal em nove meses, enquanto os contratos futuros do Brent tinham queda de 2,39% a US$ 69,00 por barril, tendo caído 6% na semana passada, a maior perda semanal em quatro meses.

Os futuros da gasolina RBOB dos EUA apresentavam recuo de 1,46%, a US$ 2,2245 por galão.

A China registrou 125 novos casos de Covid-19 na segunda-feira, um aumento em relação aos 96 novos casos do dia anterior, e as autoridades responderam reintroduzindo uma série de novos lockdowns e restrições de viagem, atingindo a perspectiva de crescimento na demanda no segundo maior consumidor de petróleo do mundo.

Além disso, os dados comerciais do país mostraram que as importações de petróleo continuaram leves no último mês, enfraquecendo para 9,7 milhões de barris por dia em julho, em comparação com cerca de 9,8 milhões em junho de 2021 e muito abaixo dos cerca de 12,1 milhões de barris importados em julho do ano passado.

“Os altos preços do petróleo, as cotas de importação limitadas, especialmente para refinadores privados, e a manutenção de refinarias pesaram sobre a demanda por petróleo do país”, disseram analistas do ING em relatório.

Soma-se à pressão sobre o mercado de óleo um rali do dólar, depois que o relatório de sexta-feira sobre o emprego nos Estados Unidos elevou as expectativas de que o Federal Reserve pode apertar a política monetária americana mais rápido do que o esperado.

Um dólar mais forte torna o petróleo mais caro para detentores de outras moedas.

Os ânimos do setor estão se enfraquecendo, como demonstrado pelos dados de posicionamento mais recentes do CFTC. Isto mostra que os especuladores reduziram a sua posição líquida longa no contrato Nymex WTI em pouco menos de 16.500 lotes ao longo da última semana, enquanto os longs líquidos no Brent ICE também caíram, embora apenas pouco menos de 2.000 lotes.

Na segunda-feira passada, o Painel Intergovernamental das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas divulgou um relatório sobre os efeitos das mudanças climáticas, afirmando que as ondas de calor, as secas e as chuvas torrenciais estão se tornando mais frequentes e extremas à medida que a terra se aquece ainda mais.

Também nesta semana, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo divulgará seu relatório mensal sobre o mercado de petróleo na quinta-feira, no mesmo dia em que a IEA divulga seu relatório mensal.

CBios já subiram quase 45% em setembro na B3

Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) romperam a estabilidade registrada desde o início do ano, período em que se mantiveram abaixo de R$ 30 por tonelada de carbono, e dispararam em setembro na B3.

Preço dos combustíveis deve continuar elevado em 2022, diz XP

A XP divulgou projeção de alta para os combustíveis, que devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses, considerando a alta do preço do petróleo no mercado internacional, câmbio em R$ 5,20 no ano e em R$ 5,10 em 2022 e escassez de etanol, que são utilizados para reajustar preços na Petrobras.

Defasagem dos preços da gasolina diminui, mas do diesel se mantém, aponta Abicom

Os preços da gasolina praticados pela Petrobras no mercado brasileiro hoje têm uma defasagem média de 6% em relação aos preços internacionais, apontou levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).