O petróleo dos EUA (WTI) terminou o dia com baixa de 1,31 dólar, ou 3,2%, cotado a 39,29 dólares/barril (Imagem: REUTERS/Angus Mordant)

Os preços do petróleo caíram mais de 3% nesta terça-feira, atingindo o menor nível em duas semanas, em função de preocupações com a demanda por combustíveis em momento em que os Estados Unidos e a Europa lidam com uma nova onda de casos de coronavírus.

Investidores nos mercados de ações e commodities também se mantiveram cautelosos antes do primeiro debate para a eleição presidencial dos Estados Unidos, que reunirá o democrata Joe Biden e o republicano Donald Trump nesta terça.

“A queda do mercado hoje, em geral, acompanhou os declínios nas ações”, disse Jim Ritterbusch, presidente da Ritterbusch and Associates em Galena, Illinois.

Em seu penúltimo dia como primeiro contrato, o petróleo Brent para entrega em novembro fechou em queda de 1,40 dólar, ou 3,3%, a 41,03 dólares por barril, enquanto o vencimento mais ativo da referência internacional, para dezembro, recuou 3,1%, para 41,56 dólares o barril.

O petróleo dos EUA (WTI) terminou o dia com baixa de 1,31 dólar, ou 3,2%, cotado a 39,29 dólares/barril.

A queda nas cotações ocorre antes da divulgação de dados de estoque nos EUA pelo Instituto Norte-Americano de Petróleo (API, na sigla em inglês), ainda nesta terça. Na quarta-feira, a Administração de Informação sobre Energia (AIE) revela os dados oficiais, que o mercado acredita que devem apontar para um aumento de 1,6 milhão de barris na última semana.

Fonte: Reuters

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Produção de petróleo da Petrobras cresce 9% no ano mesmo com pandemia

Com retomada da economia, refinarias também apresentam bom desempenho

Justiça suspende liminar da Brasilcom para redução de metas do RenovaBio

Para o desembargador que suspendeu a decisão, a solicitação da associação não está amparada em qualquer norma

Preços do petróleo saltam 10% após Trump falar que prevê acordo entre Rússia e sauditas

Os preços do petróleo saltavam cerca de 10% nesta quinta-feira, depois que o presidente norte-americano Donald Trump disse que espera que Arábia Saudita e Rússia cheguem a um acordo.

Petróleo e pandemia, andando juntos, levam incertezas a produtor só de etanol

O recuo do petróleo nesta sexta (15), depois de alta forte da véspera, não deixa o cenário dos combustíveis confortável no Brasil e projeta mais instabilidade na frente.