Petróleo cai sob pressão da Covid e gasolina dos EUA

Os preços do petróleo caíam nesta quinta-feira para os níveis mais baixos em três meses sob temor de que o aumento de casos de Covid-19 poderá inibir o crescimento da demanda diante de um inesperado aumento nos estoques de gasolina dos EUA.

Por volta das 12h45 (horário de Brasília), os futuros do WTI caíam 3,6%, a US$ 62,80 o barril, abaixo de US$ 65 pela primeira vez desde maio, enquanto os futuros do Brent caíam 3,4%, a US$ 65,92 o barril.

Os futuros da gasolina RBOB dos EUA caíram 3,8%, para US$ 2,0668 o galão.

Os casos de Covid-19 estão aumentando globalmente em áreas com baixos índices de vacinação, ocasionados principalmente pela circulação da altamente transmissível variante delta, o que está gerando temores de que uma possível recuperação econômica e, consequentemente, o aumento da demanda por petróleo, serão frustrados.

“A propagação da variante delta … continua a eclipsar as perspectivas de demanda por petróleo”, afirmaram analistas do ING, em nota. “Além disso, os dados de produção da China no início da semana, os quais mostraram que as refinarias chinesas processaram a menor quantidade de petróleo bruto em 14 meses, contribuíram pouco para elevar os ânimos.”

Embora a maior parte das preocupações se concentre na Ásia, e na China em particular, as mortes relacionadas ao coronavírus aumentaram nos Estados Unidos no mês passado.

O surpreendente aumento de 696.000 barris nos estoques de gasolina na semana findada em 13 de agosto, publicado na quarta-feira pela Energy Information Administration dos EUA, somou-se a essas preocupações, sendo este o primeiro aumento em mais de um mês.

Os pedidos iniciais de auxílio desemprego dos EUA podem ter caído pela quarta semana consecutiva, para um o valor mínimo de 348.000 durante a pandemia, mas o índice de atividade comercial do Fed da Filadélfia caiu de 21,9 em julho para 19,4, valor mínimo desde dezembro, devido à desaceleração do crescimento da atividade fabril na região pelo quarto mês consecutivo.

O dólar americano mais forte, com alta consequente das expectativas de que o Fed reduzirá o extraordinário estímulo monetário este ano, está intensificando o cenário, já que torna o petróleo mais caro em outras moedas.

Noutras partes, uma decisão federal reverteu na quarta-feira a aprovação do projeto Willow de US$ 6 bilhões da ConocoPhillips (NYSE:COP) (SA:COPH34) no Alasca pelo governo dos EUA, colocando o enorme projeto de perfuração em dúvida.

IBP critica mudanças regulatórias na venda de combustíveis

Representante das grandes distribuidoras de combustíveis, o Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP) se posicionou a favor da manutenção do atual modelo de funcionamento do mercado de revenda de derivados de petróleo.

Estes são os postos de combustíveis populares e preferidos por brasileiros

Os postos de combustível Petrobras BR, Ipiranga e Shell são as marcas com maior índice de popularidade entre os brasileiros, é o que aponta um estudo realizado pela empresa de pesquisa de satisfação e NPS (Net Promoter Score) SoluCX: as marcas foram citadas por 73,2%, 72,8% e 69,1% dos respondentes da pesquisa, respectivamente.

Guerra política no Brasil e economia mundial devem manter preço da gasolina nas alturas

Economistas dizem que toda vez que o discurso golpista avança, desconfiança cresce e dólar sobe, elevando o preço dos combustíveis. Motoristas de aplicativo dizem que serviço já não compensa diante dos custos.