Petróleo chega a 4º alta no mês após queda nos estoque dos EUA

Foto: Reprodução

Investing.com – O petróleo segue para a melhor performance em cinco semanas nesta sexta-feira, depois que quedas desmedidas nos EUA, desde o petróleo passando por gasolina e diesel, orientaram os bulls do mercado de volta a um caminho positivo.

O petróleo West Texas Intermediate negociado em Nova York e o Brent de Londres registraram ganhos modestos em julho, estendendo a orientação positiva do petróleo no quarto mês consecutivo.

Às 16h10, o WTI subia 30 centavos, ou 0,4%, a USS$ 73,92 por barril. O benchmark norte americano subiu 2,6% na semana, cravando a melhor de cinco semanas. Em relação a julho, também apresentou ganho de 0,7%.

O Brent, referência global para petróleo, subia 21 centavos, ou 0,3%, para US$ 75,31 no dia. Na semana, o Brent apresenta alta de 1,8%. Se isso durar até o fechamento, será a melhor semana em seis. Em julho, o Brent apresentou ganho de 0,4%.

Após um suave início na semana, a alta do petróleo foi retomada pelos dados da Administração de Informação de Energia mostrando uma queda no estoque de petróleo de 4,089 milhões de barris durante a semana terminada em 23 de julho, em comparação com as expectativas dos analistas de uma queda de 2,928 milhões de barris.

A maior queda para o petróleo veio do aumento de produção das refinarias neste verão para atender à demanda projetada para o pico da temporada nos EUA.

De acordo com o EIA, as refinarias operaram com 91,1% da capacidade na semana terminada em 23 de julho, não muito longe dos picos vistos durante o verão pré-pandêmico de 2019.

Os estoques de gasolina por si só caíram 2,25 milhões de barris até o mesmo período, contra a previsão de 1,24 milhão.

O caso atípico da semana, no entanto, veio dos destilados, como o diesel, cujos estoques caíram 3,1 milhões de barris, queda quatro vezes maior do que o previsto de 700.000. Esse número descomunal mostra que a demanda por combustível para caminhões e outros veículos comerciais foi tão grande quanto da gasolina.

Os preços do petróleo foram contidos no início da semana pelo aumento no número de casos de Covid relacionados à variante Delta, a qual representa os vento contrário ao mercado.

Embora o apetite do investidor pelo risco no petróleo tenha crescido nos últimos dias, permitindo o otimismo em torno do mercado, o surgimento de novos casos de Covid nos EUA e em outros lugares do mundo tornam o caminho mais desafiador em comparação com o início do ano, quando os preços do petróleo subiram quase sem parar semana após semana.

CBios já subiram quase 45% em setembro na B3

Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) romperam a estabilidade registrada desde o início do ano, período em que se mantiveram abaixo de R$ 30 por tonelada de carbono, e dispararam em setembro na B3.

Preço dos combustíveis deve continuar elevado em 2022, diz XP

A XP divulgou projeção de alta para os combustíveis, que devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses, considerando a alta do preço do petróleo no mercado internacional, câmbio em R$ 5,20 no ano e em R$ 5,10 em 2022 e escassez de etanol, que são utilizados para reajustar preços na Petrobras.

Defasagem dos preços da gasolina diminui, mas do diesel se mantém, aponta Abicom

Os preços da gasolina praticados pela Petrobras no mercado brasileiro hoje têm uma defasagem média de 6% em relação aos preços internacionais, apontou levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).