Interrupção do fluxo de petróleo, por acidente, ajudou segurar a queda dos preços (Imagem: Handout via REUTERS)

A ladeira abaixo do petróleo tinha tudo para continuar nesta quarta (24) não fosse o encalhe de um navio no Canal de Suez, interrompendo a navegação por onde passa boa parte do suprimento mundial.

O evento anulou o inesperado aumento dos inventários do petróleo nos Estados Unidos, na semana passada, conforme divulgou mais cedo a Administração de Informação de Energia (EIA, da sigla em inglês), que seria suficiente para adicionar mais fraqueza ao temores da Covid na Europa.

O barril do tipo Brent escapou, portanto, de renovar a queda de mais 6% na véspera, quando bateu na casa dos US$ 60, e avançou cerca de US$ 4, a US$ 64,03 no contrato para entrega em maio.

Pode também sustentar os preços até que o navio porta-contêiner, de 400 metros de comprimento, seja desencalhado, o que pode levar uns dias até que a operação se conclua.

Na sessão americana, o WTI também se recuperou, a US$ 60, após recuo de 6% também na terça.

Fonte: Money Times

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Abiove, Aprobio e Ubrabio consideram redução da mistura lamentável e apontam consequências

Abiove, Aprobio e Ubrabio apontam impactos que a redução da mistura de biodiesel representa para toda a cadeia produtiva

Petrobras reduz diesel na refinaria em 7% a partir de sexta; gasolina cairá 5%

A Petrobras (SA:PETR4) reduzirá os preços médios do diesel em suas refinarias…

Moradores de cidade do Acre pagam R$ 8,20 pelo litro da gasolina

Com o sexto reajuste dos combustíveis em 2021 anunciado na última segunda-feira (8), o preço do litro da gasolina chegou a R$ 8,20 em Marechal Thaumaturgo (AC), município a 577 km da capital Rio Branco, na fronteira do Brasil com o Peru.

Proposta de calamidade pode abrir caminho para governo desonerar combustíveis sem compensação

O Congresso discute a criação de uma cláusula de calamidade pública na Constituição que, caso acionada, dispensaria Executivo e Legislativo de apresentarem compensações orçamentárias ao criarem medidas que impactem as contas públicas.