Petróleo: Cotas Mais Altas da Opep+ Não Vão Aumentar Produção de Petróleo

É improvável que a Opep+ decida se desviar de seus planos de produção de petróleo existentes na reunião de hoje. No mês passado, surpreendeu o mercado ao aumentar as cotas de produção mais do que o esperado. No entanto, a maioria dos países da Opep+ já está produzindo em suas capacidades máximas agora, portanto, mesmo com cotas mais altas, não devemos esperar que muito mais petróleo chegue ao mercado produzidos por seus membros.

Exceto Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Rússia.

Rússia

A Rússia vem aumentando a produção de forma constante para atender à demanda por seu óleo com desconto de clientes na Índia e na China. Em maio, bombeou 9,29 milhões de bpd, segundo a Platts. Alexander Novak, vice-primeiro-ministro, disse que espera que a produção de petróleo da Rússia aumente 600.000 bpd em junho, o que seria um aumento significativo, mas ainda estaria abaixo da cota da Opep+.

Ainda não está claro se a produção de petróleo russa continuará a crescer. A Agência Internacional de Energia espera que a produção de petróleo da Rússia caia 2 milhões de bpd até dezembro, à medida que as sanções contra ela começam a ser aplicadas, mas dado o crescente apetite por petróleo russo na Índia e na China, essa previsão provavelmente é muito severa.

Arábia Saudita

A Saudi Aramco (TADAWUL:2222) pode produzir 12 milhões de bpd de petróleo. No entanto, sustentar essa alta taxa de produção pode danificar seus campos de petróleo, o que aumentaria o risco de não cumprir as obrigações de fornecimento no caso de uma interrupção ou ataque militar inimigo, portanto, é improvável que a Arábia Saudita aumente muito além de 11 milhões de bpd.

Atualmente, de acordo com Platts, a Arábia Saudita está bombeando 10,45 milhões de bpd. Bombeou 11,01 milhões de bpd em novembro de 2018 e quase 12 milhões de bpd em abril e maio de 2020. De acordo com o cronograma atual da Opep+, a cota da Arábia Saudita chegará a 11 milhões de bpd em agosto. Mesmo que optasse por bombear no máximo permitido, acrescentaria apenas 550.000 bpd ao mercado.

Emirados Árabes Unidos

Em maio, os Emirados Árabes produziram 3,03 milhões de bpd e sua cota aumentará para 3,17 milhões de bpd em agosto. Os Emirados Árabes Unidos dizem que podem produzir até 4 milhões de bpd, embora nunca tenham produzido nesse ritmo.

Como a Arábia Saudita, é benéfico para os Emirados Árabes Unidos não produzir em sua capacidade máxima, porque uma vez que atinja essa taxa, não tem capacidade ociosa para compensar interrupções não planejadas ou utilizar no caso de sua segurança nacional ser ameaçada.

Há pouco benefício para os países produtores da Opep+ aumentarem as cotas além dos números pré-planejados quando, na realidade, a produção não aumentará. Além disso, a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos não acreditam que barris adicionais deles derrubariam os preços do petróleo porque o verdadeiro culpado pelo aumento dos preços é a guerra Rússia/Ucrânia.

O problema será explicar isso ao governo Biden quando o presidente dos EUA chegar à Arábia Saudita no próximo mês. É claro que os líderes mundiais têm dificuldade em entender os detalhes da produção de petróleo versus cotas de produção de petróleo, como foi evidenciado por um comentário do presidente francês Emmanuel Macron esta semana na reunião do G7. Ele foi pego em vídeo dizendo ao presidente Biden que os Emirados Árabes Unidos estavam produzindo em sua capacidade máxima e a Arábia Saudita só poderia aumentar a produção em 150.000 bpd.

Esta afirmação não é verdadeira – os Emirados Árabes Unidos estão produzindo em ou perto de sua cota da OPEP e a Arábia Saudita só pode aumentar a produção em 150.000 bpd sob a cota atual. Ambos os países são capazes de produzir mais e poderão fazê-lo quando suas cotas de produção aumentarem em agosto.

Etanol segue assombrado por Petrobras (PETR4) desidratar mais a gasolina, após o diesel

O etanol hidratado foi poupado no final da semana passada, quando a Petrobras (PETR4) apenas diminui o preço do diesel. Mas seguiu e segue assombrado pela possibilidade real de que a estatal reduza a gasolina também.

Goldman Sachs reduz projeções para petróleo no curto prazo, mas segue vendo preços acima de US$ 100 o barril

Os preços do petróleo brent tiveram queda de 25% desde o início de junho, fechando a última sexta-feira (5) na casa dos US$ 94 o barril, sendo puxados recentemente por uma crescente gama de preocupações: recessão, política de Covid-zero da China e setor imobiliário, liberação de reservas estratégicas dos EUA e produção russa se recuperando bem acima das expectativas.

ANP rejeita aumento de estoques mínimos de diesel, em alívio para distribuidoras

A diretoria da ANP rejeitou nesta sexta-feira, 5, uma proposta de aumento de estoques mínimos de diesel A (puro) S10 entre setembro e novembro para mitigar riscos de desabastecimento em meio à oferta global apertada do combustível, mas aprovou um reforço do monitoramento do suprimento nacional.