Petróleo despenca até 13% e WTI fica abaixo de US$ 70, com temor por nova cepa

Os contratos futuros do petróleo despencaram nesta sexta-feira, 26, com recuo de até 13%. Tanto em Nova York, quanto em Londres os ativos tiveram o pior desempenho desde o início de setembro, com o WTI tendo perdido a marca dos US$ 70. O colapso se deu diante das preocupações sobre a demanda, em meio às notícias sobre a omicron, nova variante do coronavírus, identificada pela primeira vez na África do Sul.

O petróleo WTI para janeiro fechou em queda de 13,06% (US$ 10,24), a US$ 68,15 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para fevereiro caiu 11,5% (US$ 9,33), a US$ 71,59 o barril, na Intercontinental Exchange (ICE). Na comparação semanal, o recuo foi de 10,25% e 9,25%, respectivamente.

O Goldman Sachs (NYSE:GS) diz que o Brent registrou, em termos de variação, o maior declínio desde abril, quando os preços colapsaram. Além disso, a queda foi exacerbada pela baixa atividade na Black Friday – com níveis semelhantes a 2014, 2016 e 2018 – e a mudança nos seus principais pontos de apoio, afirma o banco.

Com a nova variante do coronavírus, que registrou ampla mutação e pode ser mais transmissível, a maioria das commodities caíram, observa a Capital Economics. A consultoria avalia que ainda é cedo para compreender o que a nova cepa significa para a economia, mas aumenta a preocupação sobre a demanda do petróleo, especialmente se restrições de viagens forem impostas. EUA e Reino Unido, por exemplo, já determinaram limitações para viajantes de determinados países da África.

“Esses acontecimentos farão a reunião da Organização de Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) ainda mais intrigante na semana que vem”, diz a casa. Com as preocupações sobre a demanda e a recente liberação de estoques de petróleo por EUA e outros países, a Capital avalia que agora há um risco muito maior de que a Opep+ decida desacelerar ou interromper seu gradual aumento de oferta. Em relatório anterior, a casa já havia pontuado que a liberação de reservas pelos países de fora do grupo deve ocorrer em um momento que o mercado estará lidando com superávit de petróleo.

Petróleo tem pior semana desde março, com WTI abaixo de US$ 90

Os touros do petróleo costumavam sorrir para o mercado de trabalho dos EUA com orgulho. Agora, eles não têm mais tanta certeza se deveriam.

Medos de recessão tomam conta dos mercados de petróleo

Os preços do petróleo estão de volta aos níveis em que estavam antes de a Rússia invadir a Ucrânia, destacando que uma recessão global e a destruição da demanda são agora o foco central dos comerciantes.

Petróleo cai cerca de 7% na semana e preço negociado volta a ser o mesmo de fevereiro

Brent e WTI operam em alta moderada, rompendo o fechamento negativo de dois pregões consecutivos. Mas a recuperação de hoje, no patamar de 1% para ambas as referências, não chega perto do acumulado de perdas da semana, que somam cerca de 7%.