Petróleo estável após queda na manhã com previsão de menor crescimento da demanda

Os preços do petróleo perderam força na quinta-feira depois que a Agência Internacional de Energia cortou a previsão da demanda de petróleo para o ano, mencionando a propagação da variante delta do coronavírus.

Às 13h08, os futuros do petróleo WTI tinham leve alta de 0,13%, a US$ 69,34 o barril, enquanto os futuros do Brent tinham ganhos pequenos de 0,08%, a US$ 71,50 o barril.

Os futuros da gasolina RBOB caíam 0,6%, a US$ 2,2880 o galão.

A Agência fez projeções nesta quinta-feira de que o aumento da demanda seria de meio milhão de barris por dia a menos na segunda metade do ano comparado às estimativas do mês passado, “conforme as novas restrições impostas devido à Covid-19 a vários grandes consumidores de petróleo, particularmente na Ásia, influenciem na mobilidade e no uso de combustível. “

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo também divulgou seu relatório mensal na quinta-feira, mas manteve a previsão de alta na demanda global de petróleo para 2021 e 2022, enquanto as estimativas para o crescimento da economia global também foram elevadas.

As evidências do impacto do surto de Covid na China vieram com o fechamento de um terminal de contêineres em Ningbo, onde um caso da doença foi registrado nesta semana. A variante delta foi detectada em mais de uma dúzia de cidades desde o final de julho e as restrições impostas decorrente disso estão começando a impactar a economia do segundo maior consumidor de petróleo do mundo.

Os ânimos foram abalados na quarta-feira pelo pedido do presidente dos EUA, Joe Biden, para que os principais produtores de petróleo aumentassem a produção com o intuito de combater o aumento dos preços da gasolina.

A OPEP e aliados, conhecidos como OPEP+, estão em processo de restaurar o corte recorde de produção de 10 milhões de barris por dia implementado nos primeiros dias de pandemia.

Em julho, o grupo concordou no aumento da produção em 400.000 bpd por mês a partir de agosto até que o corte de produção seja totalmente reestabelecido.

“Esperamos grande relutância dos sauditas e do grupo em geral em aumentar ainda mais a produção, especialmente dada a incerteza contínua sobre a propagação da variante delta”, afirmaram analistas do ING, em nota.

CBios já subiram quase 45% em setembro na B3

Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) romperam a estabilidade registrada desde o início do ano, período em que se mantiveram abaixo de R$ 30 por tonelada de carbono, e dispararam em setembro na B3.

Preço dos combustíveis deve continuar elevado em 2022, diz XP

A XP divulgou projeção de alta para os combustíveis, que devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses, considerando a alta do preço do petróleo no mercado internacional, câmbio em R$ 5,20 no ano e em R$ 5,10 em 2022 e escassez de etanol, que são utilizados para reajustar preços na Petrobras.

Defasagem dos preços da gasolina diminui, mas do diesel se mantém, aponta Abicom

Os preços da gasolina praticados pela Petrobras no mercado brasileiro hoje têm uma defasagem média de 6% em relação aos preços internacionais, apontou levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).