Foto: REUTERS/Henning Gloystein/File Photo

O petróleo fechou em alta nesta terça-feira, 28, ainda em reação ao compromisso reafirmado ontem pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) de conter a oferta da commodity energética. A desvalorização do dólar ante outras moedas fortes também ajudou a impulsionar os preços. Com a moeda americana em baixa, o petróleo fica mais barato e atrativo para detentores de outras divisas, o que eleva a demanda.

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o barril do WTI para junho avançou 1,46%, a US$ 63,86. O Brent para julho, por sua vez, subiu 1,38%, a US$ 66,78 o barril, na Intercontinental Exchange (ICE).

O avanço dos preços do petróleo hoje ocorreu apesar de um aumento nos estoques em solo americano. De acordo com dados divulgados hoje pelo Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês), houve um avanço de 90 mil barris na semana passada. Ainda assim, a alta veio abaixo do estimado ontem pelo Americana Petroleum Institute (API).

Para o chefe de pesquisa em commodities do Commerzbank, Eugen Weinberg, a decisão da Opep+ agradou ao mercado, mas ainda há risco de que o aumento gradual da produção de petróleo do grupo resulte em um excedente de oferta nos próximos três meses. Isso porque há restrições em vigor para combater a covid-19 em alguns dos principais países que importam a commodity, como a Índia, o Japão e a Turquia.

Na visão do chefe de mercados de petróleo da Rystad Energy, Bjornar Tonhaugen, há otimismo sobre a demanda pela commodity na segunda metade de 2021, devido ao avanço da vacinação contra o coronavírus. Ele, porém, também vê obstáculos para a continuidade da recuperação dos preços. “O pesadelo da situação da covid-19 na Índia vai impactar o mercado por vários meses, disso agora temos certeza”, alerta.

A Rystad Energy estima que o impacto negativo da escalada global da pandemia no mercado de petróleo ultrapasse 500 mil barris por dia em abril e alcance 1 milhão de bpd em maio. “No momento, o mercado parece estar ignorando a Índia porque a cabeça de todos está voltada para a evolução da demanda dos EUA e da China”, diz Tonhaugen.

Petróleo fecha em alta com dólar e em reação a compromisso reiterado da Opep+

Fonte: Estadão Conteúdo

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Preços do petróleo sobem após corte de oferta saudita surtir efeito

Os preços do petróleo bruto sobem nesta segunda-feira, em um cenário de sentimento amplamente favorável em relação aos ativos de risco.

O que Esperar dos Maiores Produtores de Petróleo do Mundo em Relação aos Cortes

Os preços do petróleo, em particular os do West Texas Intermediate (WTI), continuam extremamente…

Na contramão de concorrentes, Petrobras quer deixar 7º maior mercado de combustíveis.

A Petrobras deu mais um passo na quarta-feira (26) em sua estratégia de concentrar seus negócios na exploração e produção e petróleo e gás e em cinco refinarias do Sudeste.

Petrolíferas chinesas podem ser novo alvo de deslistagem nos EUA

As maiores petrolíferas chinesas podem ser as próximas na fila para a…