© Reuters. Os Futuros do Petróleo subiram durante a sessão dos Estados Unidos

O petróleo futuro recuperou parte das perdas acumuladas na última semana e fechou em alta nesta segunda-feira, 12, com investidores otimistas pela retomada da economia dos Estados Unidos em meio à vacinação acelerada contra a covid-19 e os estímulos fiscais no país. O recrudescimento da pandemia em algumas regiões do mundo, porém, limitaram os ganhos da commodity energética, já que impõem riscos à recuperação da demanda global pelo óleo.

Na New York Mercantile Exchange (Nymes), o barril do petróleo WTI com entrega prevista para maio avançou 0,64% (+US$ 0,38), a US$ 59,70, enquanto o do Brent para o mês seguinte teve alta de 0,52% (+US$ 0,33), a US$ 63,28, na Intercontinental Exchange (ICE).

Após estender as perdas da última sessão, operando em queda na madrugada, o petróleo se recuperou e passou a subir diante da perspectiva de recuperação robusta da economia americana, que deve aumentar a demanda do país pela commodity. Os Estados Unidos são os maiores compradores do óleo em todo o mundo. Além da agenda de apoio fiscal adotada pela administração de Joe Biden, o ritmo acelerado da vacinação contra a covid-19 nos EUA é o principal fator a sustentar o otimismo no mercado de petróleo.

Hoje, o chefe da força-tarefa da Casa Branca no combate à pandemia, Andy Slavitt, afirmou que os EUA atingiram a média diária de 3 milhões de vacinados diariamente na última semana, para um total de 120 milhões de americanos imunizados, o que corresponde a cerca de 60% da população adulta do país, segundo ele. A promessa de que todos os americanos adultos estarão aptos já na semana que vem a receber a vacina reforça a boa perspectiva local.

Apesar de perdas recentes, a Capital Economics avalia que o petróleo deve ganhar força ao longo de 2021 e retomar a trajetória de alta. Em relatório enviado a clientes, a consultoria diz que a provável recuperação da demanda global por commodities energéticas deve fazer com que a média de preços de produtos como o petróleo e o gás fiquem acima das registradas no ano passado. O carvão, porém, deve manter o desempenho fraco, projeta a casa.

Se, por um lado, a vacinação em massa nos EUA suporta a alta do óleo, de outro, o aperto da pandemia em outras regiões do mundo segura os ganhos da commodity. O foco da preocupação de investidores está na situação na Europa, cuja imunização da população tem ocorrido de forma lenta. Soma-se a isso relatos de que o governo da Alemanha estenderá o lockdown no país, em decisão que pode ser anunciada ainda hoje. Fora da Europa, a Índia também registra um forte aumento de casos de covid-19, que fez o país ultrapassar o número de infectados no Brasil.

Fonte: Estadão Conteúdo

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Hidratado despenca sem pressão da gasolina e mesmo com oferta contida de safra

Depois de seguidas quedas nos preços das distribuidoras desde a semana passada, e, de carona na redução da gasolina nas refinarias, no dia 12, em 2%, o etanol hidratado despencou 4,17% nas usinas do Centro-Sul no acumulado de 14 a 18 de junho, como o Cepea confirmou a antecipação de Money Times, na quarta (16).

Shell dobrou lucros com comercialização de petróleo em 2020, para US$2,6 bi

A petroleira Royal Dutch Shell Royal (LON:RDSa) (SA:RDSA34) viu seus lucros com a comercialização de petróleo e produtos refinados dobrar em 2020 ante o ano anterior, para 2,6 bilhões de dólares, ajudando a compensar uma forte queda na demanda por combustíveis devido à pandemia do coronavírus.

Preço médio do etanol cai na semana em 17 estados e no DF, diz ANP

Os preços médios do etanol hidratado caíram em 17 Estados e no Distrito Federal (DF) na semana encerrada no sábado (30) ante o período anterior.

Preços dos combustíveis nos postos recuam na semana, diz ANP

O valor médio do litro do diesel caiu 0,64% na semana encerrada no dia 29 de fevereiro, para R$ 3,677, enquanto gasolina recuou 0,04% no mesmo período.