Petróleo fecha em alta, com potencial ajuste da Opep+ e liberação de reservas

Os contratos futuros de petróleo fecharam em alta nesta segunda-feira, 22, em uma sessão volátil, na qual a grande parte das atenções se voltou para a possibilidade de uma série de países que são grandes consumidores da commodity liberarem suas reservas estratégicas de óleo. O tema, aliado às perspectivas de novas restrições na Europa para tentar conter o avanço da covid-19, pressionou o preço do barril durante grande parte do dia, mas a possibilidade de ajustes na oferta por parte da Organização de Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) impulsionou o petróleo.

Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o barril do WTI para janeiro encerrou com ganho de 1,07% (US$ 0,81), a US$ 76,75. Já na Intercontinental Exchange (ICE), o Brent para igual mês subiu 1,03% (US$ 0,81), a US$ 79,70 por barril.

A Reuters noticiou hoje que o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, prepara um anúncio de liberação das reservas nacionais de petróleo, em conjunto com vários outros países. A medida deve ocorrer de forma articulada com Índia, Japão e Coreia do Sul. O anúncio pode ser feito amanhã. No final de semana, o governo japonês já anunciou medida neste sentido.

Por sua vez, Edward Moya, analista da Oanda, nota que os preços do petróleo deram uma reviravolta depois que a Opep+ deu a entender que poderia ajustar seu plano de aumento de produção se os EUA conseguirem fazer com que muitos países explorem suas respectivas reservas estratégicas. O secretário-geral do Fórum Internacional de Energia (IEF, na sigla em inglês), Joseph McMonigle, disse hoje acreditar que a Opep+ pode reavaliar seus planos.

Para Moya, o petróleo continuará volátil, mas muito do movimento de queda já aconteceu. Um anúncio oficial sobre as reservas dos EUA pode acontecer já amanhã e os negociadores de ativos de energia vão tentar ver se isso marca o fundo da recente retração, afirma. Na visão da Rystad Energy, embora uma liberação de reservas estratégicas de petróleo possa diminuir os preços no curto prazo, eventualmente esses volumes precisarão ser substituídos. Assim, o impacto tenderia a ser limitado, de modo que qualquer golpe desferido na estrutura de preços de curto prazo seria compensado em uma onda de compras.

Produção de etanol anidro cresce 22,3% no Nordeste, diz NovaBio

Com a safra 2021/22 em andamento, dados compilados pela Associação dos Produtores de Açúcar, Etanol e Bioenergia (NovaBio) sinalizam que a moagem de cana no Norte-Nordeste atingiu 28,67 milhões de toneladas no acumulado até 15 de novembro.

Valor do petróleo cai 2% e Petrobras ganha espaço para cortar preços no Brasil

O preço do barril de petróleo tipo brent atingiu os US$ 67,44 nesta quinta-feira, 2, o que representa uma queda de 2,08% em relação aos valores praticados na data anterior.

Abastecer com GNV rende quase o dobro que gasolina e etanol, aponta Abegás

Um levantamento da Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado (Abegás) mostra que, atualmente, o Gás Natural Veicular (GNV) tem rendido quase o dobro da gasolina e do etanol.