Petróleo fecha em alta de mais de 2%, com câmbio, Opep+ e retomada no radar

Os contratos de petróleo fecharam com ganhos nesta quinta-feira, 2. O recuo do dólar colaborou para o movimento, com investidores ainda avaliando o anúncio de ontem da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+). Além disso, foram monitorados sinais da retomada econômica global.

O petróleo WTI para outubro fechou em alta de 2,04% (+US$ 1,40), em US$ 69,99 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para novembro avançou 2,01% (+US$ 1,44), a US$ 73,03 o barril, na Intercontinental Exchange (ICE).

A Rystad Energy afirmou que a Opep+ não trouxe surpresas, ao manter o plano de aumento gradual na oferta. A consultoria diz em relatório que a alta de hoje foi fruto em parte do câmbio, com recuo do dólar que torna os contratos mais baratos para os detentores de outras divisas, e também após a queda forte nos estoques da commodity nos EUA vista ontem, que segundo a Rystad foi lida como um sinal de confiança na perspectiva para os mercados.

A Oanda, por sua vez, diz que o câmbio de fato influencia, mas também a passagem do furacão Ida pelos EUA. Segundo ela, o quadro pode afetar o crescimento no curto prazo e fazer o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) ser mais paciente no aperto monetário, o que tende a conter o dólar. Além disso, a Oanda afirma que as refinarias podem levar algumas semanas para normalizar suas operações, após o furacão na costa do Golfo.

No noticiário de hoje, foi avistada uma possível mancha de óleo no Golfo do México, após a passagem do furacão Ida. Autoridades disseram que ainda não é possível chegar ao local. Já o presidente Joe Biden disse que liberará estoques de gasolina, a fim de garantir o abastecimento na área afetada e conter os preços do combustível.

Olhando para o mais longo prazo, a Capital Economics avalia em relatório que o petróleo deve ter tendência de queda nos próximos dois anos. Para a consultoria, a commodity já tem um aumento constante previsto na oferta, que deve superar a recuperação na demanda. Com isso, ela adverte que ações do setor de energia podem ficar mais pressionadas.

CBios já subiram quase 45% em setembro na B3

Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) romperam a estabilidade registrada desde o início do ano, período em que se mantiveram abaixo de R$ 30 por tonelada de carbono, e dispararam em setembro na B3.

Preço dos combustíveis deve continuar elevado em 2022, diz XP

A XP divulgou projeção de alta para os combustíveis, que devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses, considerando a alta do preço do petróleo no mercado internacional, câmbio em R$ 5,20 no ano e em R$ 5,10 em 2022 e escassez de etanol, que são utilizados para reajustar preços na Petrobras.

Defasagem dos preços da gasolina diminui, mas do diesel se mantém, aponta Abicom

Os preços da gasolina praticados pela Petrobras no mercado brasileiro hoje têm uma defasagem média de 6% em relação aos preços internacionais, apontou levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).