Petróleo fecha em forte queda, com dólar forte e aversão ao risco após ata do Fed

O petróleo registrou forte recuo nesta quinta-feira, 19, pressionado pelo sentimento de aversão global ao risco, após o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) sinalizar que pode começar a redução dos estímulos monetários neste ano nos Estados Unidos, em ata divulgada ontem. O movimento ainda provocou um fortalecimento do dólar no mercado cambial, pesando sobre a demanda por ativos cotados na moeda americana, como é o caso da commodity energética.

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o barril do petróleo WTI com entrega prevista para outubro encerrou a sessão em baixa de 2,62% (-US$ 1,71), a US$ 63,50, e o do Brent para igual mês cedeu 2,68% (-US$ 1,78) na Intercontinental Exchange (ICE), a US$ 66,45.

Ontem, a ata da última reunião de política monetária do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) do Fed mostrou que a maioria dos dirigentes da entidade está disposta a começar o tapering, como é chamado o processo de retirada gradual dos estímulos, já em 2021. A notícia provocou uma corrida por ativos mais seguros, pesando sobre os contratos de petróleo.

Segundo o Commerzbank, “para além das amplamente discutidas incertezas sobre a demanda”, o fraco apetite por metais básicos e o fortalecimento do dólar também prejudicaram o preço do óleo. Hoje, a moeda americana apreciou ante todas as principais moedas de economias desenvolvidas e emergentes durante a maior parte da sessão. O banco alemão destaca que o Brent registrou hoje sua quinta queda consecutiva, algo que não ocorria desde há 18 meses.

Além dos problemas que envolvem a disseminação da variante delta do coronavírus, analistas apontam para a esperada queda na demanda por combustível em economias desenvolvidas, diante do iminente fim da temporada de verão nestes países.

Em relatório a clientes, a Capital Economics estima que a entrada de novos integrantes à Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) pode aumentar o poder do cartel sobre os preços do óleo no futuro. Ainda assim, os preços devem cair nas próximas décadas, segundo a consultoria.

A casa vê duas principais razões que isso ocorra: “em primeiro lugar, esperamos que a maioria dos países, especialmente os da Opep, em breve maximizem a produção para evitar que seu petróleo fique inexplorado”, afirma a Capital, que também aponta que o mercado de petróleo cru deve influenciar menos as dinâmicas nos contratos da commodity energética, “à medida que o custo de produção de tecnologias renováveis diminui progressivamente”, pesando sobre os preços do óleo.

Petróleo fecha em alta, apoiado por queda nos estoques dos EUA

Os contratos futuros do petróleo fecharam em alta nesta quarta-feira, 20. Apesar de abrirem em baixa com a previsão de aumento nos estoques do óleo dos Estados Unidos, os ativos operaram em geral no positivo e ganharam força quando o resultado foi de queda nos estoques.

Produção de etanol nos EUA sobe 6,2% na semana, para 1,096 milhão de barris/dia

A produção média de etanol nos Estados Unidos foi de 1,096 milhão de barris por dia na semana encerrada em 15 de outubro.

Iraque: o petróleo pode chegar a US $ 100 no próximo ano

Os preços do petróleo podem chegar a US $ 100 o barril durante o primeiro semestre de 2022 em meio a baixos estoques comerciais globais, disse o ministro do Petróleo do Iraque, Ihsan Abdul Jabbar Ismaael , na quarta-feira, conforme publicado pela Reuters.