Petróleo fecha em leve alta, com furacões no radar e após CPI dos EUA e AIE

Os contratos futuros do petróleo fecharam em leve alta nesta terça-feira, 14, após uma sessão volátil. Apesar de terem começado o dia em alta e ganhado forças com a divulgação do relatório da Agência Internacional de Energia (AIE) e da inflação ao consumidor (CPI) dos EUA, que veio abaixo do esperado, os ativos perderam fôlego e operaram no negativo em parte da sessão. Como pano de fundo, estão os impactos na oferta relacionados ao furacão Ida e ao avanço do Nicholas sobre solo americano.

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o WTI para outubro teve avanço marginal de 0,01% (US$ 0,01), a US$ 70,46 o barril, enquanto na Intercontinental Exchange (ICE), o Brent fechou em alta de 0,12% (US$ 0,09), a US$ 73,60 o barril.

Os contratos do óleo deram continuidade ao avanço registrado ontem, com o maior nível em seis semanas, de acordo com o Commerzbank. Segundo o banco alemão, a queda na produção do Golfo do México segue sendo um dos principais impulsionadores do preço da commodity. Da produção da região, 44% ainda não havia sido retomada até ontem, dizem os analistas, em menção a dados do Escritório de Segurança e Fiscalização Ambiental do país.

Sem sequer terem se recuperado completamente dos impactos do furacão Ida, Louisiana e Mississippi devem ser atingidos por forte chuvas proporcionadas pelo Nicholas – furacão que tocou o solo do Texas hoje.

O relatório da AIE também deu fôlego aos ativos hoje. A agência reduziu sua previsão para a alta na oferta mundial fora da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) em 2021 em 150 mil barris por dia (bps), a 450 mil bpd. Paralelamente, cortou sua previsão de avanço na demanda global em 100 mil bpd, a 5,2 milhões de bpd, em menção aos impactos da variante delta do coronavírus.

Ontem, a Opep também informou ajustes nas suas previsões do óleo. “O aumento do preço é ainda mais impressionante, porque o mercado ignorou a revisão da demanda em baixa da Opep”, diz a Rystad Energy. “Talvez já fosse esperado e precificado, talvez a gravidade das interrupções no fornecimento nos EUA esteja colocando um limite em outros sinais de baixa”.

O resultado dos últimos dados da inflação ao consumidor (CPI) americano, que ficaram abaixo do esperado, também apoiaram a commodity nesta sessão. Ao longo do dia, porém, os contratos futuros perderam fôlego e operaram no negativo durante a tarde. Ao fim da sessão, os operadores ajustaram suas posições e o petróleo conseguiu avançar.

“O petróleo subiu ao lado de todos os ativos de risco, já que o menor ganho de preço em sete meses sugeriu que o Fed não terá pressa em fazer um anúncio de redução das compras de ativos”, afirma o analista Edward Moya, da Oanda.

CBios já subiram quase 45% em setembro na B3

Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) romperam a estabilidade registrada desde o início do ano, período em que se mantiveram abaixo de R$ 30 por tonelada de carbono, e dispararam em setembro na B3.

Preço dos combustíveis deve continuar elevado em 2022, diz XP

A XP divulgou projeção de alta para os combustíveis, que devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses, considerando a alta do preço do petróleo no mercado internacional, câmbio em R$ 5,20 no ano e em R$ 5,10 em 2022 e escassez de etanol, que são utilizados para reajustar preços na Petrobras.

Defasagem dos preços da gasolina diminui, mas do diesel se mantém, aponta Abicom

Os preços da gasolina praticados pela Petrobras no mercado brasileiro hoje têm uma defasagem média de 6% em relação aos preços internacionais, apontou levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).