Imagem: © Reuters.

Os contratos futuros de petróleo fecharam em baixa nesta segunda-feira, após começarem a semana avançando, com o impulso da aprovação de estímulos fiscais nos Estados Unidos. No entanto, ao longo da sessão, o otimismo deu lugar à expectativa pela reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+), na qual serão avaliados futuros ajustes na produção. O petróleo também sofreu influência da flutuação do dólar perante os pares.

O petróleo WTI para abril fechou em baixa de 1,40% (US$ 0,86), cotado a US$ 60,64 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), enquanto o Brent para maio caiu 1,13% (US$ 0,73), a US$ 63,69 o barril, na Intercontinental Exchange (ICE).

A aprovação do Pacote de Resgate de US$ 1,9 trilhão proposto pelo presidente dos EUA, Joe Biden, na Câmara dos Representantes na madrugada do último sábado impulsionou os preços do petróleo no começo da sessão. O projeto, que agora tem de passar pelo Senado, é visto como uma possibilidade de aumentar a demanda no país, o maior consumidor mundial da commodity.

No entanto, ao longo do dia, as atenções do mercado foram destinadas para a reunião da Opep+ nesta semana, que decidirá o que o grupo fará quanto aos cortes na produção a partir de 1º de abril.

“Claramente, dada a força que vimos no mercado, haverá uma pressão crescente dentro do grupo para reduzir cortes”, aponta o ING.

O banco avalia que o mercado já espera uma diminuição, mas a questão agora é saber de quanto. A Opep+ precisará ser cuidadosa, “e vai querer ter certeza de não surpreender o mercado com afrouxamento excessivo” aponta o ING, “tendo em vista que há uma grande quantidade de investimento especulativo em petróleo no momento”.

“O grupo precisa se certificar de que o mercado pode absorver a oferta adicional e, para isso, precisa que suas suposições sobre a recuperação da demanda sejam razoavelmente precisas”, aponta o banco holandês.

O Commerzbank lembra que a “boa disciplina de produção demonstrada pela Opep+ é um dos principais motivos da forte recuperação dos preços do petróleo”. No entanto, “embora a Opep+ ainda esteja exercendo moderação, a produção fora da aliança provavelmente aumentará”, avalia o banco alemão, citando outros produtores, como EUA e Noruega.

Na sessão desta segunda, outro elemento que afetou os preços do petróleo foi a valorização do dólar. A moeda americana chegou a operar perto da estabilidade ante rivais, mas se valorizou durante o dia, tornando a commodity mais cara para detentores de outras divisas.

Fonte: investing.com

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Petróleo fecha em alta após tombo de ontem, mas relatório do DoE reduz ganhos

Os contratos futuros de petróleo fecharam em alta nesta terça-feira, 6, em recuperação após forte recuo na sessão anterior. Os ganhos, porém, foram contidos nas últimas horas da sessão, após o Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) dos Estados Unidos apontar para “incertezas” nos próximos meses para o mercado de energia, em meio à evolução da resposta à pandemia de covid-19.

Postos devem adequar propagandas de apps de desconto a decreto

A partir do dia 24, os postos de gasolina de todo o país devem se adequar às novas regras de transparência sobre composição de preços e promoções na compra de combustível. A determinação consta no Decreto nº 10.634, editado em fevereiro.

Petrobras lança programa de eficiência para reduzir custos com foco em Búzios

A Petrobras (PETR3; PETR4) lançou uma iniciativa que visa cortes de 30%…

Preços do petróleo caem com alívio em preocupação por oleoduto e com Covid na Índia

Os preços do petróleo recuavam nesta terça-feira, em meio a alívio em temores quanto a uma prolongada paralisação do maior sistema de oleodutos dos Estados Unidos e com a crise do coronavírus na Índia também pesando.