Petróleo fecha em queda, estendendo perdas do pregão anterior, com Delta no radar

Os contratos futuros do petróleo fecharam em queda nesta sexta-feira, 13. Na semana, o barril do WTI acumulou leve alta, enquanto o Brent recuou. Além de haver cautela com o avanço da variante Delta do coronavírus, o movimento visto hoje é uma extensão das perdas registradas ontem após as previsões de demanda feitas pela Agência Internacional de Energia (AIE) e Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o barril do petróleo WTI com entrega prevista para setembro teve recuo 0,94% (US$ 0,65), a US$ 68,44. Na semana, porém, registrou avanço de 0,23%. Já na Intercontinental Exchange (ICE), o Brent fechou em queda de 1% (US$ 0,72), a US$ 70,59 o barril, acumulando um recuo semanal de 0,16%.

Mais contagiosa, a cepa delta tem levado diversos países a retomar restrições às atividades sociais. “O surto da covid-19 na China, independentemente de quão pequenos os números atualmente pareçam, é um catalisador-chave por trás do fato de os preços do petróleo estarem caindo de seus altos níveis novamente”, afirma o analista Edward Moya, da Oanda.

Ontem, a AIE informou um corte de 100 mil barris por dia (bpd) na sua previsão de alta na demanda para 2021, a 5,3 milhões de bpd. Já a Opep manteve em seu relatório a previsão de aumento em cerca de 6 milhões de bpd. Para o ING, dadas essas informações, os preços do petróleo demonstraram até mesmo resiliência em uma semana em que mais “bandeiras vermelhas” foram levantadas.

“Os preços do petróleo reagiram com notável calma aos anúncios da AIE e Opep”, concorda o analista do Commerzbank Carsten Fritsch. “Parece que o mercado assume – como nós fazemos, de fato – que a Opep+ irá optar por não retirar totalmente os cortes de produção conforme planejado anteriormente, dada a situação do mercado”.

Para Fritsch, as previsões feitas pelas organizações deixam claro que a Opep+ não tem “nenhum escopo” para aumentar ainda mais sua produção de petróleo no próximo ano, caso não queira se arriscar a outro excesso de oferta e aumento de estoque.

A empresa Baker Hughes, que atua no setor de petróleo, informou hoje que o número de poços e plataformas de petróleo em atividade nos Estados Unidos subiu 10 na última semana, a 397.

CBios já subiram quase 45% em setembro na B3

Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) romperam a estabilidade registrada desde o início do ano, período em que se mantiveram abaixo de R$ 30 por tonelada de carbono, e dispararam em setembro na B3.

Preço dos combustíveis deve continuar elevado em 2022, diz XP

A XP divulgou projeção de alta para os combustíveis, que devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses, considerando a alta do preço do petróleo no mercado internacional, câmbio em R$ 5,20 no ano e em R$ 5,10 em 2022 e escassez de etanol, que são utilizados para reajustar preços na Petrobras.

Defasagem dos preços da gasolina diminui, mas do diesel se mantém, aponta Abicom

Os preços da gasolina praticados pela Petrobras no mercado brasileiro hoje têm uma defasagem média de 6% em relação aos preços internacionais, apontou levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).