Petróleo fecha em queda pela 7ª sessão consecutiva

Os contratos futuros mais líquidos do petróleo fecharam em baixa pela sétima sessão consecutiva. De acordo com analistas, a queda se dá, especialmente, pelas preocupações com a diminuição da demanda pelo óleo, devido a possíveis restrições por conta do avanço da cepa delta do coronavírus.

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o ativo mais líquido do petróleo WTI despencou 9% na semana e alcançou o menor nível desde maio de 2020. O barril com entrega prevista para outubro teve recuo de 2,14% (US$ 1,36) nesta sessão, a US$ 62,14.

Já na Intercontinental Exchange (ICE), o Brent para outubro acumulou um recuo semanal de 7,66%. Nesta sessão, o barril do petróleo caiu 1,91% (-US$ 1,27), a US$ 65,18, no nível mais baixo desde maio deste ano.

“Os preços do petróleo tiveram queda acentuada nesta semana, refletindo uma série de fatores que estão tornando nebulosa a perspectiva por demanda”, diz a Capital Economics. A consultoria cita a cepa delta e sua implicação nas restrições de mobilidade e menor demanda pelo óleo, além da recuperação nos EUA parecer ter se estabilizado – com a demanda por gasolina tendo cáido pela segunda semana seguida. “Tudo isso sugere que a demanda por petróleo deve se estabilizar ou até mesmo enfraquecer nos próximos meses”.

O analista da Oanda, Edward Moya, caracterizou o movimento dos preços da commodity como “em queda livre”, por conta de uma Wall Street cautelosa e o preço do dólar pressionado pelas expectativas sobre o Federal Reserve (Fed, o banco central americano). “Os preços do petróleo terão dificuldade em conseguir um melhor desempenho, já que o pico do verão (no hemisfério norte) ficou para trás e, agora, o retorno ao escritório pode estar em risco para muitas empresas”, observa.

Para Moya, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) pode se preocupar com sua estratégia de elevar sua oferta. “Dados alguns riscos persistentes para a demanda de petróleo, a Opep+ pode querer segurar o aumento da produção na reunião de 1º de setembro. Se o tema na Ásia for para novas medidas restritivas (por conta da covid-19), os preços do petróleo podem permanecer pressionados no curto prazo”, prevê o analista.

O número de poços e plataformas de petróleo em atividade nos Estados Unidos avançou oito na semana, a 405, informou hoje a Baker Hughes, companhia que presta serviços no setor.

IBP critica mudanças regulatórias na venda de combustíveis

Representante das grandes distribuidoras de combustíveis, o Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP) se posicionou a favor da manutenção do atual modelo de funcionamento do mercado de revenda de derivados de petróleo.

Estes são os postos de combustíveis populares e preferidos por brasileiros

Os postos de combustível Petrobras BR, Ipiranga e Shell são as marcas com maior índice de popularidade entre os brasileiros, é o que aponta um estudo realizado pela empresa de pesquisa de satisfação e NPS (Net Promoter Score) SoluCX: as marcas foram citadas por 73,2%, 72,8% e 69,1% dos respondentes da pesquisa, respectivamente.

Guerra política no Brasil e economia mundial devem manter preço da gasolina nas alturas

Economistas dizem que toda vez que o discurso golpista avança, desconfiança cresce e dólar sobe, elevando o preço dos combustíveis. Motoristas de aplicativo dizem que serviço já não compensa diante dos custos.