Petróleo queima, mas colapso do WTI foi ajudado pelo modelo de contrato e só vale nos EUA

O feito histórico do petróleo WTI, negociado em Nova York, em US$ 37,63 negativos ontem, precisa ser compreendido no seu modelo de negócio.

Naturalmente mostra a gravidade do cenário global contagiado pela queda de 30 milhões de barris consumidos a menos por dia, mas o tipo de contrato futuro é diferente do petróleo Brent. Referenciado em Londres (ICE Europe) este sim que precifica as compras globais.

O vencimento maio causador do pânico mundial expira nesta terça (21) na Nymex, portanto é normal a liquidação de posições. O ativo tem entrega física e é normal também que muitas corretoras se defendam impedindo os investidores de movimentações nos dias precedentes ao vencimento.

Sendo ativo para entrega física, e com a esgotada capacidade de armazenagem no mundo e em especial nos Estados Unidos, a arbitragem entre os contratos mais curtos e mais longos se evaporou. Vender um futuro a vencer e comprar o que está vencendo, arcando com carrego da armazenagem, não teve suporte para uma diferença que passou dos US$ 50.

Nesta terça

Neste feriado brasileiro, o WTI sobe mais de 60%, mas continua no negativo em em torno dos 23 a 25, girando em US$ 15, por volta das 9h50 (Brasília). O mercado ainda tenta absorver o anúncio de Donald Trump de que vai comprar 75 milhões de barris para as reservas estratégicas dos Estados Unidos e ajudar a enxugar um pouco o mercado.

A situação não deve ser alterar nesta terça, mas não deve se repetir pois o contrato junho acaba de entrar em cena.

Os mercados também devem esperar vendidos até que as notícias sobre a abertura controlada de algumas economias fiquem mais evidentes, entre as quais a da Alemanha recém executada.

E, naturalmente, a dos Estados Unidos, onde Washington trava dura batalha a favor da liberação contra alguns governadores. Igual Jair Bolsonaro no Brasil.

O petróleo do Mar do Norte, Brent, cai forte também, mais de 21%/US$ 20,17.

Fonte: Money Times

Petróleo fecha em baixa, com dólar forte após dados dos EUA e Irã no radar

Os contratos futuros do petróleo fecharam em queda, nesta sexta-feira, 12. A commodity chegou a subir logo no início do dia, mas não mostrou fôlego, com o movimento negativo reforçado após indicadores dos Estados Unidos fortalecerem o dólar. Além disso, a possibilidade de acordo nuclear com o Irã seguia no radar, com potencial para aumentar a oferta do óleo.

Petróleo encaminha ganhos acima de 3%, assegurando melhor marca das últimas três semanas

O preço do petróleo opera em queda nos momentos finais do pregão desta sexta-feira (12), com mercados menos preocupados com interrupções de fornecimento no Golfo do México e potencial de maior oferta vindo do Irã.

Os preços do petróleo caem à medida que as preocupações com a demanda persistem

Os preços do petróleo caíram na manhã de sexta-feira, apagando alguns ganhos, já que os traders continuam cautelosos em comprar o petróleo novamente.