Petróleo rompe resistência com indicação dos Estados Unidos sobre auxilio emergencial (Imagem: REUTERS/Christian Hartmann)

A reação firme do petróleo após sinais positivos de Donald Trump sobre novo pacote bilionário de auxílio à economia dos Estados Unidos ajuda a aliviar alguma pressão sobre o etanol, que veio de alta na semana passada.

Na esteira de todos os ativos de risco, inclusive o dólar index em baixa e bolsas em alta, o mercado ficou otimista com o potencial de demanda para o óleo cru, vindo a alimentar a maior economia global.

O barril do tipo Brent está em mais 3,10% na bolsa de Londres, nesta quinta (8), perseguindo os US$ 43,5/barril, para entrega em dezembro, depois de cair para US$ 41,99 na véspera, quando o mercado ratificava quedas após o presidente americano dizer (no dia anterior) que abandonaria as negociações com os Democratas.

O benchmark nos Estados Unidos também salta mais de 3%, acima de US$ 41.

O etanol hidratado estava com preços estabilizados nas usinas, depois da alta de 1,92%, indo a R$ 1,8642 livres de impostos e fretes – a segunda semana de elevações -, pelo levantamento do Cepea/Esalq.

Agora pode reagir, inclusive nesta sexta, com os distribuidores tentando antecipar compras ante a possíveis aumentos da gasolina na refinaria.

Fonte: Money Times

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Avanço de negociação no RS deixa caminho livre para Grupo Raízen comprar a Repar

Muito perto de adquirir a Refinaria Alberto Pasqualini (Refap), em Canoas, na Região Metropolitana de Porto Alegre, o Grupo Ultra deve deixar o caminho aberto para que seu concorrente, o Raízen, arremate a paranaense Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), em Araucária.

Governo vai reduzir mistura de biodiesel para maio e junho

A mistura obrigatória de biodiesel no diesel fóssil será reduzida dos 13% previstos para este ano na comercialização para atendimento ao mercado nos meses de maio e junho.

Política de preços da Petrobras deve mudar, avaliam especialistas

Pelo menos um dado parece estar menos nebuloso na nova gestão da Petrobras, assinalou Cesar Bergo, presidente do Conselho Regional de Economia (Corecon-DF). “A política de preços dos combustíveis deve mudar para o que era antes de (Roberto) Castello Branco (ex-presidente da estatal). Ou seja, as oscilações não serão sentidas imediatamente. A metodologia de cálculo deverá considerar o médio prazo”, acredita Bergo.

Ministério de Minas e Energia reafirma apoio ao RenovaBio após ações contra metas

A pasta de Minas e Energia do governo Jair Bolsonaro reafirmou nesta…