Foto: Christian Hartmann/Reuters

Investing.com – A volatilidade do petróleo não está diminuindo, apesar do risco para o comércio global causado pelo congestionamento de petroleiros no Canal de Suez.

Os preços do petróleo caíam novamente na quinta-feira (25), chegando a perder 4% após o salto de 6% na quarta-feira, que recuperou quase tudo o que o mercado perdeu na sessão anterior.

E isso sem incluir a queda de 7% de uma semana atrás que deu início a toda a montanha-russa, após uma nova onda de Covid-19 na Europa mudar a direção de um mercado que até então vinha crescendo em uma direção por quatro meses – para cima.

“O petróleo está mais uma vez sendo negociado em baixa à medida que a volatilidade recente se acalma, mas ainda está muito longe de enfraquecer”, disse Sophie Griffiths, analista de mercado da OANDA. Após oscilações de 6% nas duas sessões anteriores, o declínio de quarta-feira “parece tranquilo em comparação”, observou ela.

Às 11:48 (horário de Brasília), o West Texas Intermediate negociado em Nova York, a referência para o petróleo dos EUA, caía US$ 2,88, ou 4,7%, a US$ 58,30.

O Brent negociado em Londres, a referência global para o petróleo, caía US$ 2,61, ou 4%, para US$ 61,80.

Poucos conseguiram entender imediatamente a retomada da desaceleração do mercado. Alguns viram a crise no Canal de Suez – que, logicamente, deveria ser positiva para o petróleo, dado o atraso causado nos embarques – como negativa, dizendo que agora há preocupações com a demanda de petróleo.

Os fortes ventos forçaram o Ever Given – um navio de bandeira do Panamá, operado por Taiwan e de propriedade do Japão – a encalhar em uma das margens do canal, bloqueando quase toda a largura da hidrovia e produzindo um grande congestionamento em uma das artérias marítimas mais importantes do mundo.

Na manhã de quinta-feira, centenas de navios estavam presos em cada extremidade do canal de 120 milhas que conecta o Mar Vermelho ao Mediterrâneo. Um navio de salvamento, entretanto, trabalhava na tentativa de libertar o Ever Given, descrito como sendo do tamanho do Empire State Building de Nova York, do canal que carrega cerca de 10% do tráfego marítimo mundial.

A seguradora de transporte marítimo Lloyds disse que o encalhe de um navio de tamanho semelhante em 2016 levou seis dias para ser resolvido.

Outros apontaram as preocupações contínuas sobre a situação da Covid-19 na Europa, onde há uma sensação crescente de caos apesar do bloco e do Reino Unido concordarem na quinta-feira em trabalhar juntos em vacinas antes de uma cúpula da UE no final do dia, que terá a presença, remotamente, do Presidente Joe Biden.

Uma terceira onda de infecções por coronavírus está ocorrendo em toda a Europa, com a variante britânica (B117) dominando. A Organização Mundial da Saúde disse que o número de casos no continente aumentou em média 12% em uma semana, mas em alguns países o aumento foi muito maior.

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Incêndio atinge refinaria da Petrobras em São José dos Campos

Fogo atingiu tanques que armazenam produtos utilizados na preparação de asfalto e óleo combustível

Preços dos combustíveis voltam a subir nos postos; gasolina passa de R$ 4

Segundo levantamento semanal da ANP, valor médio do litro da gasolina para o consumidor avançou 0,9%, para R$ 4,022.

Preços do petróleo avançam, mas alta em casos de Covid pelo mundo limita ganhos

Os preços do petróleo avançavam nesta segunda-feira, com otimismo sobre a recuperação da economia dos Estados Unidos em meio à aceleração da vacinação, mas o aumento em números de casos de Covid-19 em outras partes do mundo limitava os ganhos e fazia os preços serem negociados em um intervalo limitado.

Saiba como é a composição do preço dos combustíveis

Nos últimos meses, os brasileiros têm sido surpreendidos com o aumento do preço dos combustíveis. A combinação de dólar alto e de aumento da cotação internacional do petróleo têm pesado no bolso no consumidor.