Un tecnico al lavoro nel campo petrolifero di Kashagan. REUTERS/Stringer

LONDRES (Reuters) – Os preços do petróleo subiam nesta segunda-feira por expectativas de que o grupo de produtores Opep+ possa manter sua produção estável em maio, com as cotações afetadas também por preocupações de que as operações do Canal de Suez poderiam levar semanas para voltar ao normal, mesmo com avanços em tentativas de liberar um navio encalhado por ali.

O petróleo Brent subia 0,81 dólar, ou 1,25%, a 65,38 dólares por barril, às 8:29 (horário de Brasília). O petróleo dos Estados Unidos avançava 0,69 dólar, ou 1,13%, a 61,66 dólares por barril.

Ambos os contratos chegaram a operar em queda de mais de 1 dólar por barril mais cedo na sessão.

Um grande navio de contêineres que tem bloqueado o Canal de Suez por quase uma semana foi parcialmente colocado para flutuar novamente, disse a Autoridades do Canal de Suez (SCA), o que levantou esperanças de que a via marítima possa em breve ser reaberta para a grande fila de navios que aguardam liberação.

Mas os impactos sobre a indústria global de navegação podem levar semanas e mesmo meses para serem apagados, disseram importantes empresas do setor.

“Mesmo que o Ever Given deixe o canal em poucos dias, alguns efeitos cascata remanescentes devem ser esperados nesse período”, disse Louise Dickson, analista da Rystad Energy.

“Os carregamentos de petróleo podem ser afetados, bem como parte da demanda por petróleo, já que indústrias podem ter que fechar ou pausar a produção enquanto esperam que os produtos atrasados cheguem às fábricas”, acrescentou ela.

Os preços do petróleo tiveram forte oscilação nos últimos dias, à medida que negociantes e investidores tentavam pesar o impacto do bloqueio em Suez e também os efeitos de “lockdowns” que visam conter infecções por coronavírus.

E essa volatilidade do mercado deve continuar, disse Jeffrey Halley, analista de mercado sênior da OANDA.

Por outro lado, o mercado tem recebido algum apoio de expectativas de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados, incluindo a Rússia, conhecidos em conjunto como Opep+, manterão níveis mais baixos de produção quando se reunirem nesta semana.

A Rússia deve apoiar uma produção em geral estável da Opep+ em maio, embora buscando um relativamente pequeno aumento de produção para si devido a uma demanda sazonal em alta, disse uma fonte próxima da estratégia dos russos nesta segunda-feira.

Fonte: Reuters

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

ANP afirma que realizará consulta pública sobre fidelidade de postos a bandeiras “em breve”

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) divulgou, por meio de comunicado à imprensa, que “em breve” deve abrir consulta e audiência públicas para tratar da revisão da Resolução ANP nº 41/2013.

Liquidação: Petróleo dos EUA é negociado no negativo pela primeira vez na história

Os contratos futuros do petróleo dos EUA (WTI) para maio, que expiram amanhã, atingiram pela primeira vez o território negativo.

Etanol abre a semana em baixa mirando o petróleo em queda, mas sem direção clara

Sem uma direção clara do petróleo para a semana que se abre,…