Pis/Cofins do diesel pode ser zerado a partir de janeiro

Agência Safras – O presidente Jair Bolsonaro disse que o governo estuda zerar a alíquota de Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) que incide sobre o óleo diesel a partir de janeiro. “Não vou dizer que vou conseguir, mas existe uma chance”, disse ele ontem (19) à noite, durante uma transmissão ao vivo.

Segundo Bolsonaro, para a zeragem deste imposto será necessário obter compensações equivalentes a aproximadamente R$ 17 bilhões, e faltaria encontrar R$ 2 bilhões para tomar a decisão final sobre o assunto. “A gente vai se virar”, disse Bolsonaro, acrescentando que “pode não dar certo”.

A alíquota do PIS/Cofins sobre o diesel hoje é de 0,3515 por litro, sem considerar a adição de biocombustível. Com a adição de 10% de biodiesel, como é exigido por lei, a alíquota passa a R$ 0,3312 por litro.

Isso corresponde a 7,2% do preço do médio do combustível no Brasil, que hoje é de R$ 4,60 por litro, segundo os dados mais recentes divulgados pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). O diesel, porém, varia muito de preço a depender da região, oscilando entre R$ 4,009 e R$ 6,180 por litro.

IBP critica mudanças regulatórias na venda de combustíveis

Representante das grandes distribuidoras de combustíveis, o Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP) se posicionou a favor da manutenção do atual modelo de funcionamento do mercado de revenda de derivados de petróleo.

Estes são os postos de combustíveis populares e preferidos por brasileiros

Os postos de combustível Petrobras BR, Ipiranga e Shell são as marcas com maior índice de popularidade entre os brasileiros, é o que aponta um estudo realizado pela empresa de pesquisa de satisfação e NPS (Net Promoter Score) SoluCX: as marcas foram citadas por 73,2%, 72,8% e 69,1% dos respondentes da pesquisa, respectivamente.

Guerra política no Brasil e economia mundial devem manter preço da gasolina nas alturas

Economistas dizem que toda vez que o discurso golpista avança, desconfiança cresce e dólar sobe, elevando o preço dos combustíveis. Motoristas de aplicativo dizem que serviço já não compensa diante dos custos.