O preço médio por litro da gasolina terminou a semana em queda, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (24) pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Segundo o levantamento semanal, o valor médio por litro passou de R$ 4,558 para R$ 4,55 – uma queda de 0,18%. No ano, a alta acumulada do preço da gasolina é de 4,8%.

De janeiro a abril, a inflação foi de 2,09%, considerando o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).
O valor da gasolina divulgado pela pesquisa semanal representa uma média calculada pela ANP com os dados coletados nos postos, e, portanto, os preços podem variar de acordo com a região.

Já o diesel terminou a semana em alta de 0,08%, de R$ 3,652 por litro para R$ 3,655. No ano, o valor médio do combustível acumula alta de 5,9%. Da mesma maneira que a gasolina, o valor é a média calculada pela ANP com os dados coletados nos postos.

A ANP também monitora os valores médios do etanol e do gás de cozinha. Nesta semana, o preço médio do etanol caiu 1,9%, de R$ 3,005 por litro para R$ 2,946. Foi a quarta queda semanal seguida. No ano, porém, o valor do combustível acumula avanço de 4,3%.

Já o preço médio do gás de cozinha terminou a semana em alta. O avanço foi de 1,1%, de R$ 68,95 para R$ 69,76.

Fonte: G1 Economia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

CNPE define regras para liberação da venda direta de etanol na ANP

Resolução é criticada pela Unica, que teme concentração de impostos sobre os produtores

Etanol sobe em 22 estados e no DF; preço médio avança 0,19% no País

Os preços médios do etanol hidratado subiram em 22 estados e no…

Preços do petróleo caem com tensão entre EUA e China e dúvidas sobre demanda

Os preços do petróleo recuaram nesta sexta-feira, diante das crescentes tensões entre Estados Unidos e China.

Preços do petróleo desabam e têm maior queda diária desde 1991

Arábia Saudita cortou o valor de venda do barril e indicou o início de uma guerra de preços. Na sexta-feira, Rússia se opôs aos amplos cortes de produção sugeridos pela Opep para estabilizar os preços da commodity.