Preço do etanol sobe em 21 estados, cai em 4 e no DF e fica estável no AP

Em São Paulo, principal estado produtor e consumidor, o preço médio do etanol ficou em R$ 5,233 o litro

Os preços médios do etanol hidratado subiram em 21 estados nesta semana, de acordo com levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) compilado pelo AE-Taxas. No Distrito Federal e em outros 4 estados os preços recuaram e, no Amapá, ficaram estáveis.

Nos postos pesquisados pela ANP em todo o País, o preço médio do etanol subiu 1,07% na semana ante a anterior, de R$ 4,562 para R$ 4,611 o litro.

Em São Paulo, principal estado produtor, consumidor e com mais postos avaliados, a cotação média do hidratado ficou em R$ 5,233 o litro, alta de 1,36% ante a semana anterior (R$ 5,189).

O preço mínimo registrado nesta semana para o etanol em um posto foi de R$ 3,849 o litro, em São Paulo, e o menor preço médio estadual, de R$ 4,390, foi registrado também em São Paulo.

O preço máximo, de R$ 6,999 o litro, foi verificado em um posto do Rio Grande do Sul.

O maior preço médio estadual também foi o do Rio Grande do Sul, de R$ 5,978.

Na comparação mensal, o preço médio do biocombustível no País subiu 6,59%. O estado com maior alta no período foi Mato Grosso, onde o litro subiu 30,00% no mês. Na apuração semanal, a maior alta de preço foi observada no Maranhão, com avanço de 2,92%, para R$ 4,723 o litro.

IBP critica mudanças regulatórias na venda de combustíveis

Representante das grandes distribuidoras de combustíveis, o Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP) se posicionou a favor da manutenção do atual modelo de funcionamento do mercado de revenda de derivados de petróleo.

Estes são os postos de combustíveis populares e preferidos por brasileiros

Os postos de combustível Petrobras BR, Ipiranga e Shell são as marcas com maior índice de popularidade entre os brasileiros, é o que aponta um estudo realizado pela empresa de pesquisa de satisfação e NPS (Net Promoter Score) SoluCX: as marcas foram citadas por 73,2%, 72,8% e 69,1% dos respondentes da pesquisa, respectivamente.

Guerra política no Brasil e economia mundial devem manter preço da gasolina nas alturas

Economistas dizem que toda vez que o discurso golpista avança, desconfiança cresce e dólar sobe, elevando o preço dos combustíveis. Motoristas de aplicativo dizem que serviço já não compensa diante dos custos.