Preço do etanol tem alta em função da entressafra da cana

O presidente da SIAMIG, Mário Campos. concedeu entrevista à rádio Itatiaia, publicada no jornal 1ª Edição no dia 11/12/19.

O consumidor que recorreu ao etanol para abastecer seu carro agora está vendo o preço do combustível subir, o que explica esse comportamento?

Mário Campos – A explicação para a alta no etanol é o período de entressafra da cana-de-açúcar, quando os produtores precisam fazer, então, um equilíbrio entre a oferta e a demanda. O ajuste nos preços é um processo natural do mercado que se autorregula. Na última semana ocorreu um aumento do preço do etanol na produção, que já está no seu período final de moagem e irá retornar somente em abril do próximo ano. Como o mercado vem de um consumo muito forte de etanol em Minas Gerais e em outros estados produtores é normal que ocorra uma redução da demanda neste final de ano em função do aumento no preço, cuja alta está chegando aos poucos nos postos. Isso traz um impacto na relação de preços entre o etanol e a gasolina, mas o consumidor ainda está encontrando uma relação positiva para o etanol.

Qual análise que o senhor faz com relação ao preço da gasolina e do etanol, que levou a este grande consumo do etanol?

Mário Campos – Sem dúvida, não só o preço competitivo do etanol levou a sua maior demanda no mercado, mas o preço mais caro da gasolina, impactado não apenas pelo dólar, mas pelo valor do barril de petróleo, além de que grande parte da gasolina consumida no país é importada. Então, o Brasil tem que internacionalizar todas essas variações, às quais, nos últimos meses, foram de alta. Hoje o país tem uma política de mercado e se o comportamento for de alta, impacta na relação de consumo do etanol e da gasolina.

Fonte: Rádio Itatiaia – Texto extraído do boletim SIAMIG

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Petróleo despenca até 13% e WTI fica abaixo de US$ 70, com temor por nova cepa

Os contratos futuros do petróleo despencaram nesta sexta-feira, 26, com recuo de até 13%. Tanto em Nova York, quanto em Londres os ativos tiveram o pior desempenho desde o início de setembro, com o WTI tendo perdido a marca dos US$ 70.

Governo vende 55 milhões de barris de petróleo do pré-sal por R$ 25 bilhões

A PPSA (Pré-Sal Petróleo SA) vendeu nesta sexta-feira (26) 55 milhões de barris de petróleo do pré-sal que pertencem à União. Pelas cotações atuais, o leilão representa uma arrecadação de R$ 25 bilhões para o governo federal no prazo de cinco anos.

Opep+ monitora nova variante da Covid-19, com receios sobre perspectiva, dizem fontes

A Opep+ está monitorando os desenvolvimentos em torno da nova variante do coronavírus, disseram fontes nesta sexta-feira, com alguns expressando preocupação de que isso possa piorar as perspectivas do mercado de petróleo menos de uma semana antes de uma reunião para definir política.