O preço médio da gasolina nas bombas encerrou a semana passada em alta e registrou a primeira alta depois de 18 recuos seguidos, segundo levantamento divulgado pela Agência Nacional do Petróleo, do Gás Natural e dos Biocombustíveis (ANP) nesta quinta-feira (7).

O valor por litro do combustível subiu 1,1%, de R$ 4,172 para R$ 4,218, entre os dias 24 de fevereiro e 2 de março.

A ANP também apurou uma leve alta no preço do diesel no período. O valor médio por litro avançou 1%, de R$ 3,444 para R$ 3,479.

Já o preço por litro do etanol subiu 3,9% no período, de R$ 2,760 para R$ 2,868.

O preço é uma média calculada pela ANP com os dados coletados nos postos, e, portanto, o valor pode variar de acordo com a região.

Refinarias

Nas refinarias, a Petrobras vai aumentar o preço médio do litro da gasolina em 2,5%, para R$ 1,7287, a partir de sexta-feira (8). Já o preço diesel vai subir 1,9%, para R$ 2,1871.

O valor médio do diesel segue no patamar o mais alto desde 27 de outubro do ano passado, quando a Petrobras comercializava o combustível fóssil a R$ 2,3606 por litro.

A Petrobras vem elevando seus preços frequentemente, no embalo de uma alta nas cotações do petróleo no mercado internacional. Os reajustes da estatal podem ocorrer em qualquer intervalo de tempo, em meio a uma política de preços da companhia que busca seguir a paridade internacional.

Fonte: G1 Economia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Opep tem reunião com Brasil em meio a consultas a produtores “chave” de petróleo

Órgão formalizou convite ao ministro de Minas e Energia para participação no 8º Seminário Internacional da organização.

Trump anuncia acordo entre russos e sauditas para subir preço do petróleo

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou hoje que Rússia e Arábia Saudita chegaram a um acordo para aumentar o preço do petróleo.

Mesmo competitivo, etanol despenca nas vendas em abril

Sob efeito da pandemia do coronavírus, queda na comercial do tipo hidratado foi de 38,38% ante a 2019