O preço médio da gasolina nas bombas recuou pela 16ª semana seguida, segundo levantamento semanal divulgado pela Agência Nacional do Petróleo, do Gás Natural e dos Biocombustíveis (ANP) nesta sexta-feira (8).

O valor por litro caiu 0,4%, de R$ 4,212 para R$ 4,197. A ANP também apurou uma leve queda no preço do diesel, após registrar alta na leitura da semana anterior.

O valor médio por litro recuou 0,1%, de R$ 3,447 para R$ 3,444. Já o preço por litro do etanol caiu 0,8% no período, de R$ 2,780 para R$ 2,758.

O valor representa uma média calculada pela ANP com dados coletados em diversos postos. Os preços, então, podem variar de acordo com a região.

Preços nas refinarias Nesta sexta-feira (8), a Petrobras anunciou que reduziu o preço médio do diesel em 0,95% nas refinarias, mas manteve inalterado o valor da gasolina.

A Petrobras adota novo formato na política de ajuste de preços desde 3 de julho de 2017. Pela nova metodologia, os reajustes acontecem com maior periodicidade, inclusive diariamente. 

Em março de 2018, a empresa mudou sua forma de reajustes, e passou a divulgar preços do litro da gasolina e do diesel vendidos pela companhia nas refinarias — e não mais os percentuais de reajuste.

Fonte: G1 Economia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Preços do petróleo registram forte alta após ataques na Arábia Saudita

Preços chegaram a subir quase 20%, segundo sites internacionais. Produção do país foi cortada pela metade neste sábado (14).

Fator de utilização de refinarias da Petrobras volta ao nível pré-pandemia

O fator de utilização está em 77%; as refinarias da estatal chegaram a operar com 50%

Petrobras exporta recorde de petróleo em abril apesar da crise de demanda global

Estatal registrou marca de 1 milhão de barris por dia, superando recorde anterior de 771 mil barris por dia, alcançado em dezembro de 2019.

Venda de diesel no Brasil termina junho com queda de 2,4% comparado a 2019

O consumo de combustíveis sofreu forte impacto das medidas de isolamento social e das restrições à circulação, impostas para contenção da pandemia de coronavírus.