Foi a oitava alta consecutiva do combustível, segundo a ValeCard (Imagem: Reuters/Sergio Moraes)

O preço médio da gasolina nos postos do Brasil ultrapassou a marca de 5 reais por litro na primeira quinzena de fevereiro, em meio a um avanço das cotações do petróleo no exterior, apontou nesta quarta-feira pesquisa da ValeCard, empresa especializada em soluções de gestão de frotas.

Na primeira metade deste mês, o valor do litro da gasolina nas bombas cresceu 4,08% ante a média registrada em janeiro, para 5,04 reais por litro, o maior patamar da série história da ValeCard, que tem início em junho de 2019 e não considera a inflação.

Foi a oitava alta consecutiva do combustível, segundo a ValeCard.

O cenário de preços em alta nos postos vem com o impulso de reajustes realizados pela Petrobras nas refinarias do país, que têm como referência preços internacionais do petróleo, além do câmbio.

A petroleira elevou por três vezes o preço do combustível neste ano, sendo duas vezes em janeiro (em 7,6% e 5%, respectivamente) e uma em fevereiro (8%).

Na primeira quinzena deste mês, São Paulo foi o Estado com o menor valor médio da gasolina, de 4,63 reais por litro. Já o Acre registrou o litro mais caro, a 5,48 reais.

A maior alta de preços na quinzena ocorreu no Amazonas (5,74%) e a menor na Paraíba (2,7%). Todos os Estados tiveram aumento no valor médio do litro do combustível.

Entre as capitais, Curitiba registrou a menor média de preço na quinzena (4,597 reais por litro), enquanto o Rio de Janeiro teve o valor mais elevado (5,335 reais por litro).

A reguladora ANP, em seu mais recente levantamento de preços, apontou alta de 1,34% da gasolina em postos do país na semana passada, para uma média de 4,833 reais o litro nas bombas.

Foi a oitava semana consecutiva de ganhos no preço da gasolina, segundo a agência reguladora, cuja série histórica nunca registrou valores médios acima de 5 reais por litro para o combustível, mesmo sem considerar a inflação.

Em meio a esse cenário de preços, o governo vem estudando uma forma de reduzir a exposição do mercado brasileiro à volatilidade das cotações internacionais, mas ao mesmo tempo sem impor medidas que possam abalar a independência e o balanço financeiro da Petrobras, que detém atualmente quase 100% da capacidade de refino do país.

Na sexta-feira, o presidente Jair Bolsonaro encaminhou ao Congresso um projeto de lei que propõe alterar a cobrança do ICMS sobre combustíveis, com o objetivo de estabelecer uma alíquota de imposto uniforme e específica, reduzindo a volatilidade e aumentando a previsibilidade.

A medida veio diante de ameaças de uma nova greve de caminhoneiros, com a categoria pressionando o governo federal devido aos altos valores do diesel, combustível mais consumido do Brasil.

O levantamento da ValeCard é feito por meio do registro das transações realizadas  com o cartão de abastecimento da  companhia, em cerca de 25 mil estabelecimentos credenciados.

Óleo Diesel

Em uma outra pesquisa, o Índice de Preços Ticket Log (IPTL) apontou uma alta de 2,09% no preço do diesel na primeira quinzena de fevereiro quando na comparação com janeiro, para 4,012 reais por litro.

Já o diesel S-10 avançou 2,02% em relação a janeiro, para 4,068 reais.

Com o movimento, o valor do litro do diesel supera agora os níveis vistos durante todo o ano de 2020, acrescentou a Ticket Log, marca de gestão de frotas e soluções de mobilidade da Edenred Brasil.

“Essa média é influenciada, especialmente, pelos valores registrados nas Regiões Norte e Centro-Oeste. No Nordeste e no Sudeste, o mesmo deve ocorrer em breve se os preços continuarem aumentando”, disse em nota o chefe de Mercado Urbano da Edenred Brasil, Douglas Pina.

Em todos os Estados e regiões, houve aumento do diesel no período estudado.

A Região Norte liderou com as maiores médias, tanto para o tipo comum quanto para o S-10, comercializados a 4,226 e 4,283 reais, respectivamente.

No recorte entre os Estados, o Paraná registrou os menores valores do país, de 3,634 reais para o diesel, e 3,677 reais para o diesel S-10. No Acre, estão os combustíveis com valores mais altos: o litro médio do tipo comum foi de 4,821 reais, e do S-10, 4,770 reais.

O índice da Ticket Log leva em conta abastecimentos realizados em 18 mil postos credenciados.

No último levantamento da ANP, a cotação média do diesel nas bombas atingiu 3,811 reais por litro, alta de 1,3% em relação à semana anterior, o que marcou o terceiro aumento consecutivo.

Fonte: Reuters

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Doria cancela corte de benefício para insumo agrícola de alimentos e genéricos

Devido ao acirramento da pandemia e em meio a pressões, o governo…

Índia pede à Opep+ que aumente oferta para conter alta nos preços do petróleo

A Índia pediu que a Opep e produtores aliados diminuam cortes de oferta de petróleo.

Retirada de biodiesel nas usinas está menor do que deveria, dizem produtores

Produtores de biodiesel reclamam que as retiradas do produto em algumas usinas…

Exportações sauditas de petróleo sobem para 7,09 milhões bpd em setembro

As exportações totais de petróleo da Arábia Saudita, incluindo petróleo bruto e…