SÃO PAULO (Reuters) – O preço médio da gasolina nos postos do Brasil caiu 0,9 por cento nesta semana frente à anterior, para 4,258 reais por litro, enquanto o diesel, combustível mais utilizado no país, ficou estável, a 3,434 reais por litro, mostraram dados publicados pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) nesta sexta-feira.

A redução na gasolina vem após o preço médio do combustível nas refinarias da Petrobras (SA:PETR4) ter tocado uma mínima de 14 meses na semana passada. Nos últimos dias, no entanto, a estatal subiu os preços, com um reajuste de 2,5 por cento na quinta-feira e um de 2,1 por cento para a partir de sábado.

O preço da gasolina da petroleira estatal, que responde por quase 100 por cento do refino no Brasil, segue fatores como a cotação do petróleo no mercado internacional e o câmbio, em meio à busca da companhia por rentabilidade.

Mas o repasse dos reajustes dos combustíveis ao consumidor final nos postos depende ainda de diversas variáveis, como margem das distribuidoras e revendedores, impostos e mistura obrigatória de biocombustíveis.

Já o etanol hidratado, concorrente da gasolina nas bombas, teve queda de 1 centavo, ou 0,35 por cento na semana, para 2,82 reais por litro, segundo os dados da ANP.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Estoques de petróleo caem 9,91 milhões de barris na semana nos EUA

Os estoques de petróleo nos Estados Unidos tiveram recuo de 9,91 milhões de barris, a 476,653 milhões de barris, na semana encerrada no dia 22.

Bolsonaro afirma que dólar está alto e tem que baixar a R$ 5,00 com reformas

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou, em transmissão ao vivo pelas redes sociais nesta quinta-feira, 18, que o dólar está com cotação alta e que, na sua visão, a moeda americana teria de baixar para o nível de R$ 5.

Petrobras reduz preço de gasolina e diesel pela quarta vez em 2020

Cortes acompanham a queda das cotações internacionais do petróleo