Já as menores variações foram registradas no Ceará (7,34%) e no Amapá (7,71%) (Imagem: REUTERS/Ricardo Moraes)

O preço médio da gasolina nos postos do Brasil subiu 10,94% em março ante fevereiro, para 5,727 reais por litro, no décimo avanço mensal consecutivo, apontou levantamento da ValeCard, empresa especializada em soluções de gestão de frotas.

O cenário de preços em alta nos postos vem com o impulso de reajustes realizados ao longo do ano pela Petrobras (PETR4) nas refinarias do país, que têm como referência preços internacionais do petróleo, além do câmbio.

O forte avanço ocorreu apesar da Petrobras ter reduzido em cerca de 4% o preço médio da gasolina em suas refinarias em 25 de março o repasse não é imediato e depende de outros fatores, como impostos e mistura de etanol.

No ano, gasolina vendida na refinaria da estatal ainda acumula aumento de quase 41% frente aos valores praticados no início de 2021.

“A redução de 3,71% no preço da gasolina nas refinarias anunciada há uma semana pela Petrobras não teve qualquer efeito nas bombas do país”, disse a ValeCard em nota.

Obtidos por meio do registro das transações realizadas entre os dias 1º e 31 de março com o cartão de abastecimento da ValeCard em cerca de 25 mil estabelecimentos credenciados, os dados mostram que as maiores altas foram registradas em Sergipe (13,09%) e Goiás (13%).

Já as menores variações foram registradas no Ceará (7,34%) e no Amapá (7,71%).

Fonte: Reuters

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Os pilares da autossuficiência em combustíveis

O refino de petróleo no Brasil passa por mudanças estruturais profundas que devem se…

Etanol/Cepea: Hidratado cai em SP, depois de três meses seguidos de aumentos

Depois de subir por três meses consecutivos, pesquisas do Cepea apontam que…

Estamos otimistas com a regulamentação do diesel verde, diz diretora da Petrobras

A diretora financeira da Petrobras, Andrea Almeida, disse que a empresa está…

Combustível adulterado: esquema que movimentou R$ 4,8 bi é alvo de operação

O Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), a Receita Federal e a PRF (Polícia Rodoviária Federal) realizam hoje a segunda fase da Operação Arinna, cujo alvo é um esquema de adulteração de combustível que movimentou R$ 4,8 bilhões.