(Imagem: Divulgação/Agência de Notícias do Paraná)

A média de preço dos combustíveis no País voltou a subir no início de maio, segundo registrou o último estudo do Índice de Preços Ticket Log (IPTL). Os dados apontam que os postos comercializam a gasolina pelo preço médio de R$ 5,747, isso representa 0,85% a mais do que o preço no fechamento de abril.

O etanol teve aumento de 2,55% e está sendo comercializado no valor médio de R$ 4,681. Segundo os dados da Ticket Log, todas as regiões voltaram a registrar aumentos nos preços no início de maio.

“Até março, ambos os combustíveis registraram dez aumentos consecutivos, o que foi interrompido pelas taxas de recuo em abril. Neste início de mês, no entanto, os novos aumentos resultaram em valores médios por litro acima dos verificados em março”, diz Douglas Pina, Head de Mercado Urbano da Edenred Brasil.

Se compararmos os preços dos combustíveis com os valores cobrados no mesmo período do ano passado, o percentual é realmente assustador. A gasolina está 43,5 mais cara em maio de 2021 e o etanol subiu 46%.

Alta dos preços dos combustíveis em todas as regiões

Na Região Sudeste o etanol teve uma alta mais significativa, com 5,13% de crescimento no preço médio das bombas de combustíveis.

Em outras áreas do País, como na Região Norte, a alta foi mais ligeira: 0,37%, mas isso ainda significa que lá é comercializado o etanol mais caro do território nacional, a R$ 4,820. O etanol mais barato está na Região Centro-Oeste, comercializado em R$ 4,397.

A maior alta de preços da gasolina foi identificada no Sul do País, onde o aumento foi de 1,68%. E mesmo assim, a Região registrou o combustível mais barato, ofertado em R$ 5,523 por litro. O preço médio mais caro foi comercializado no Sudeste, a R$ 5,866.

Fazendo um panorama geral do país, entre os estados, São Paulo apresentou o maior aumento de preços do etanol, na comparação com o fechamento de abril deste ano, mas ainda segue como o mais barato do País, a R$ 3,957. A variação foi de 8,20% de um mês para o outro.

O Pará registrou o etanol mais caro do Brasil, sendo vendido por R$ 5,350. Ainda na Região Norte, o Acre registrou o maior recuo de preço do etanol, de 4,73%, enquanto o Amazonas teve a maior redução no valor médio por litro da gasolina, com 2,88%.

Segundo o levantamento, o melhor estado para se abastecer com gasolina no País é Santa Catarina, onde o combustível foi encontrado com preço de R$ 5,301. Em contraponto, os postos do Acre são os mais caros: R$ 6,273 de valor médio na gasolina.

O IPTL é um índice de preços de combustíveis levantado com base nos abastecimentos realizados nos 18 mil postos credenciados da Ticket Log.

Autor/Veículo: Icarros

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Etanol: preços do hidratado sobem com lenta reação do consumo

O dia foi de preços entre estáveis a mais altos para o etanol no mercado físico paulista. Em Ribeirão Preto, o etanol hidratado teve preço de R$ 3,68 o litro, com alta de 1,38%, enquanto o anidro permaneceu em R$ 3,58 o litro.

Preços do petróleo sobem com dados fortes sobre importações da China

Os preços do petróleo subiam nesta terça-feira, após fortes dados sobre importações da China, embora os mercados ignorassem em geral tensões no Oriente Médio que ainda não tiveram impactos sobre a oferta.

Shell dobrou lucros com comercialização de petróleo em 2020, para US$2,6 bi

A petroleira Royal Dutch Shell Royal (LON:RDSa) (SA:RDSA34) viu seus lucros com a comercialização de petróleo e produtos refinados dobrar em 2020 ante o ano anterior, para 2,6 bilhões de dólares, ajudando a compensar uma forte queda na demanda por combustíveis devido à pandemia do coronavírus.

Opep+ mantém plano atual de reduzir cortes de produção de petróleo

A Opep+ concordou nesta terça-feira em manter o ritmo atualmente previsto para uma gradual redução em seus cortes de oferta de petróleo, disseram duas fontes com conhecimento dos planos, em momento em que o grupo de produtores tenta equilibrar expectativas de recuperação na demanda com um esperado aumento na produção do Irã.