Safra de cana praticamente encerrada e igualmente de etanol, dão fôlego nos preços (Imagem:REUTERS/Paulo Whitaker)

De olho no comportamento de alta do petróleo e da Petrobras (PETR3; PETR4) com o dedo no gatilho para reproduzi-la na gasolina, os vendedores de etanol hidratado aproveitaram para empurrar mais remarcação aos preços. E as distribuidoras aceitaram.

Na semana útil, terminada na sexta, o biocombustível praticamente dobrou o reajuste na usina e destilarias sobre o aumento do período de 9 a 13 de novembro, 0,60% (R$ 2,0744) e 0,39%, respectivamente, pelos dados levantados pelo Cepea/Esalq.

Desde o 12 a gasolina ficou 6% mais cara na refinaria e a possibilidade de novo aumento, resvalando em maior competividade ao etanol, em período de produção quase zerada no Centro-Sul pela final de safra, deu liquidez aos negócios. Agora, são os estoques que regularão a balança de oferta, tanto na origem quanto na distribuidora.

O barril do petróleo tipo Brent, negociado em Londres, começou em US$ 42 e fechou a semana em US$ 45, para entrega em fevereiro. E nesta segunda (23) segue em US$ 45,55, mais 1,10%, às 9hs (Brasília). Se não saiu repasse para a gasolina na semana passada, deve sair nesta a ficar fixada a cotação nesses valores e o dólar mais valorizado.

A demanda pelo etanol, mais fluída desde que a população passou a se movimentar com mais desenvoltura, e a economia sentiu melhora, desde setembro, ajudou a melhorar o posicionamento de preços das fabricantes, ainda que na bomba o consumidor também esteja pagando mais.

Fonte: Money Times

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Primeira safra do RenovaBio tem 85% do etanol certificado e recorde na oferta de açúcares da cana

A safra 2020/2021 da cana-de-açúcar no Centro-Sul do Brasil se encaminha para…

Brasilcom defende redução da mistura obrigatória de biodiesel para 8%

A Brasilcom, que representa médias e pequenas distribuidoras no Brasil, solicitou à…

Gasolina cai 7,1% em abril após um mês de isolamento social; diesel cede 5,4%

Apesar da redução, preço dos combustíveis ainda está bem abaixo da queda praticada pela Petrobras nas refinarias, que já chega a 50%