Preços do petróleo aumentam com queda recorde de produção, grande consumo de gasolina

Os preços do petróleo subiram hoje, depois que a Administração de Informação de Energia relatou uma queda nos estoques de 1,5 milhão de barris na semana até 3 de setembro, com grandes cortes nos estoques de combustível também.

Em 423,9 milhões de barris, disse o EIA, os estoques de petróleo bruto estão abaixo da média de cinco anos para esta época do ano.

Empate da semana passada em comparação com uma queda de estoque de 7,2 milhões de barris estimada para a semana anterior. Os analistas esperavam autoridade para relatar um estoque de petróleo

Na gasolina, o EIA relatou um empate de 7,2 milhões de barris no período, ante 1,3 milhão de barris na semana anterior.

A produção média de gasolina na semana passada foi de 10,1 milhões de bpd, ante 9,9 milhões de bpd.

Em destilados médios, a autoridade estimou um empate de estoque de 3,1 milhões de barris para a semana até 3 de setembro. Isso em comparação com uma queda de 1,7 milhão de barris na semana anterior.

A produção de destilados médios na semana passada foi em média de 4,2 milhões de bpd. Isso em comparação com 4,8 milhões de bpd na semana anterior.

A produção total da refinaria foi em média de 14,3 milhões de bpd na semana passada.

O petróleo Brent estava sendo negociado a $ 72,47 o barril no momento em que este artigo foi escrito, com o West Texas Intermediate a $ 69,20 o barril, ambos ligeiramente mais baixos desde a abertura, após uma queda ontem devido à preocupação com a demanda.

A preocupação foi motivada pela decisão da Arábia Saudita de cortar os preços do petróleo para os compradores asiáticos, sinalizando que estava se ajustando à demanda mais fraca. Os cortes foram de mais de US $ 1 por barril de petróleo saudita.

As tendências da demanda de petróleo nos Estados Unidos também estiveram sob os holofotes em meio à contagem crescente de casos da Covid-19, embora as interrupções contínuas na indústria de refino da Costa do Golfo após o furacão Ida colocassem um limite nesse risco particular de queda.

Grande parte da produção de petróleo do Golfo do México permanece fechada após o furacão, de acordo com dados do BSEE, o furacão Ida pode não ter sido a tempestade mais mortal ou mais prejudicial nos EUA, mas seu impacto na produção de petróleo do Golfo do México foi o maior de todos os tempos gravado.

CBios já subiram quase 45% em setembro na B3

Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) romperam a estabilidade registrada desde o início do ano, período em que se mantiveram abaixo de R$ 30 por tonelada de carbono, e dispararam em setembro na B3.

Preço dos combustíveis deve continuar elevado em 2022, diz XP

A XP divulgou projeção de alta para os combustíveis, que devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses, considerando a alta do preço do petróleo no mercado internacional, câmbio em R$ 5,20 no ano e em R$ 5,10 em 2022 e escassez de etanol, que são utilizados para reajustar preços na Petrobras.

Defasagem dos preços da gasolina diminui, mas do diesel se mantém, aponta Abicom

Os preços da gasolina praticados pela Petrobras no mercado brasileiro hoje têm uma defasagem média de 6% em relação aos preços internacionais, apontou levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).