© Reuters.

Investing.com – Os preços do petróleo caíam acentuadamente na sexta-feira (15) em Nova York, em meio a uma série de dados econômicos fracos e a uma sensação de anticlímax depois que o presidente eleito Joe Biden anunciou seus planos de gastos de curto prazo. Uma abertura sem brilho para a temporada de balanços do quarto trimestre também manteve o sentimento frio em relação aos ativos de risco.

Às 13h54 (horário de Brasília), os futuros do petróleo dos EUA caíam 2,2%, a US$ 52,40, a caminho de terminar a semana quase exatamente no ponto em que começaram, enquanto os futuros do Brent caíam 2,3%, para US$ 55,12 o barril.

Os futuros da gasolina dos EUA caíam 1,8%, para US$ 1,5260 o galão.

Mais cedo, o Departamento de Comércio dos EUA anunciou uma queda de 0,7% nas vendas no varejo em dezembro, a segunda queda mensal consecutiva que destacou os desafios de curto prazo de controlar a pandemia. As preocupações com a lenta distribuição de vacinas – vistas como a chave para restaurar a vida normal – aumentaram nesta semana entre relatos generalizados de problemas administrativos e, em países como França e Polônia, ceticismo público. As notícias ficaram ainda mais turbulentas hoje, quando a Pfizer (NYSE:PFE); (SA:PFIZ34) e a BioNTech (DE:22UAy); (SA:B1NT34) disseram que as entregas de sua vacina para a Europa seriam adiadas para o próximo mês, enquanto a capacidade de produção seria expandida.

A notícia chega em um cenário de curvas de infecção que estão apenas começando a se achatar nos EUA e que ainda estão nos estágios iniciais de declínio na Europa. Os dados de mobilidade do Google para a maioria dos grandes países ocidentais já estão claramente baixos desde o início do ano, e quaisquer outros sinais de bloqueio sendo estendidos ameaçarão as ‘negociações de reflação’ realizadas em antecipação de uma forte recuperação econômica este ano.

Há também uma crescente inquietação quanto às perspectivas para a demanda chinesa, um dos raros pontos positivos de um mercado global fraco que ainda precisa de milhões de barris de capacidade de produção ociosa. A China prendeu cerca de 30 milhões de pessoas esta semana para conter um novo surto de Covid-19 na região de Hebei, perto de Pequim. Qualquer extensão do bloqueio para Pequim poderia ter efeitos muito maiores sobre a atual demanda chinesa.

Notícias sugeriram também que os preços estavam sob pressão de hedging por produtores de petróleo dos EUA, tentando travar os atuais níveis de preços para o final do ano, marcados pela memória da volatilidade do ano passado. Por enquanto, a cooperação entre a Rússia e a Organização dos Países Exportadores de Petróleo está impedindo qualquer retorno dessa volatilidade, mas o sentimento não foi ajudado na sexta-feira por uma notícia da Reuters indicando que a Rússia havia aumentado sua produção em uma média de 150.000 barris por dia até agora neste mês – cerca de 20% a mais do que o previsto no acordo do grupo produtor em dezembro passado. A notícia parece aumentar o risco de uma reação saudita na próxima vez em que a política de produção do grupo for analisada.

Fonte: investing.com

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Cosan vê vendas de gasolina e etanol mais fracas por lockdowns; diesel está firme

Os mais recentes “lockdowns” implantados em várias regiões do Brasil para combater o avanço da Covid-19 tiveram impacto nas vendas de gasolina e etanol, enquanto a comercialização de diesel está mais forte, principalmente com o escoamento da safra de soja, avaliou o presidente-executivo da Cosan, Luis Henrique Guimarães, nesta terça-feira.

Reservas de petróleo caem 6,7% no Brasil em 2020, aponta ANP

As reservas provadas (1P) de petróleo do Brasil caíram 6,7% em 2020, na comparação com 2019. De acordo com dados da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), foram declarados 11,89 bilhões de barris, no ano passado.

Preço dos combustíveis terá de ser mais transparente, diz secretária

A Secretária Nacional do Consumidor do Ministério da Justiça, Juliana Domingues, destacou hoje (19) a importância do Decreto 10.634, de fevereiro deste ano, que dispõe sobre a divulgação de informações aos consumidores referentes aos preços dos combustíveis automotivos.