O petróleo Brent recuava 0,91 dólar, ou 1,32%, a 67,97 dólares por barril, às 8:08 (horário de Brasília) (Imagem: Pixabay)

Os preços do petróleo recuavam nesta terça-feira, no terceiro dia consecutivo de perdas, com estoques em alta nos Estados Unidos que se somavam a riscos para a recuperação da demanda após diversos países incluindo Alemanha e França terem suspenso a aplicação de vacinas contra Covid-19.

O petróleo Brent recuava 0,91 dólar, ou 1,32%, a 67,97 dólares por barril, às 8:08 (horário de Brasília). O petróleo dos Estados Unidos caía 0,86 dólar, ou 1,32%, a 64,53 dólares por barril.

Alemanha, França e Itália planejam suspender aplicações da vacina da AstraZeneca depois de relatos de efeitos colaterais possivelmente sérios, embora a Organização Mundial de Saúde tenha afirmado que não houve uma associação direta com a vacina.

O movimento dos países elevou preocupações com o ritmo lento de vacinação na União Europeia, que pode atrasar qualquer recuperação econômica da pandemia em uma das regiões mais atingidas.

Já os estoques nos EUA estão crescendo devido a uma onda de frio no último mês, que parou operações de refinarias que agora levarão algum tempo para uma retomada total.

“A direção no curto prazo será definida pelos relatórios semanais de estoques dos EUA”, disseram analistas da corretora PVM em nota, acrescentando que a força do dólar contra outras moedas também está pesando sobre as cotações do petróleo

Fonte: Reuters

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Bolsonaro diz que preço dos combustíveis pode cair 10% com mudança em impostos

O presidente Jair Bolsonaro afirmou a apoiadores nesta segunda-feira que é possível reduzir em 10% o preço dos combustíveis intervindo na bitributação e em mudanças no ICMS.

Alta de preços no leilão de biodiesel pode encarecer combustível na bomba

Terminou nesta terça-feira (09) o leilão de biodiesel realizado para o bimestre de julho e agosto.

Opep+ decide aumentar progressivamente produção de petróleo a partir de maio

Os países produtores de petróleo vinculados ao acordo Opep+, liderados pela Arábia Saudita e Rússia e reunidos em cúpula hoje, decidiram aliviar gradativamente seus cortes na produção a partir do mês de maio.

Silva e Luna mexerá com preços de combustível, mas manterá desinvestimento da Petrobras

A reavaliação da política de preços dos combustíveis já é apontada como o principal foco da gestão de Joaquim Silva e Luna na Petrobras.