Preços do petróleo desabam nesta segunda com disputa entre Arábia Saudita e Rússia — Foto: Gregory Bull, File/AP

Os preços do petróleo terminaram esta quinta-feira (7) em queda, à medida que temores globais com oferta e demanda apagaram os ganhos registrados no início da sessão, quando a commodity foi impulsionada por um aumento no valor de venda do produto na Arábia Saudita e por uma surpreendente alta nas exportações da China no mês passado.

Os contratos futuros do petróleo Brent fecharam em queda de 0,26 dólar, ou 0,9%, a US$ 29,46 por barril, enquanto o petróleo dos Estados Unidos (WTI) recuou 0,44 dólar, ou 1,8%, para US$ 23,55 o barril.

No início da sessão, o Brent chegou a subir mais de 5% e os ganhos do WTI superaram 10%. Mesmo com a queda desta quinta-feira, o valor de referência global ainda acumula alta de 11% na semana, enquanto o “benchmark” norte-americano sobe 18% no período.

Ambas as cotações têm alta nesta semana, conforme países flexibilizaram lockdowns relacionados à pandemia de coronavírus e a demanda por combustível registrou uma leve recuperação. Além disso, a produção de petróleo no mundo está em queda, o que visa amenizar o crescente excesso de oferta.

“Continuamos em um mercado volátil, e essa retração no preço não me surpreende. Acho que houve uma dose de realização de lucros”, disse John Kilduff, sócio da Again Capital em Nova York.

“A notícia sobre os preços sauditas forneceu um suporte no começo do dia, mas ainda temos problemas significativos em termos de economia, demanda e armazenamento”, acrescentou.

Fonte: G1

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Petróleo tem maior alta diária já registrada com expectativa de cortes de produção

Os contratos do petróleo fecharam esta quinta-feira (2) com os maiores saltos em uma única sessão já registrados.

ANP reduz temporariamente percentual de biodiesel misturado ao diesel

A Diretoria Colegiada da ANP, com a concordância do Ministério de Minas…

Petrobras adia entregas de propostas por refinarias em meio a coronavírus

Adiamento em função de medidas de prevenção tem como objetivo assegurar efetiva análise do negócio por parte dos interessados, diz empresa.

Mudança do ICMS, reserva com royalties e venda direta de etanol: governo estuda mecanismos para conter alta dos combustíveis

Mudança na forma de cobrança do ICMS, contudo, não é bem vista pelos governadores