Preços do petróleo lutam para superar preocupações com demanda em meio a temores com crescimento global

Os preços do petróleo estiveram sob pressão nesta segunda-feira, incapazes de ultrapassar barreiras de preocupações sobre as perspectivas na demanda, no exato momento em que uma certa desaceleração global paralela à alta nos casos de Covid-19 é registrada.

Na Bolsa de Nova York, os futuros do WTI caíram US$ 1,15 centavos, fechando em US$ 67,29 o barril, enquanto na Intercontinental Exchange de Londres, o Brent caiu 1,2%, sendo negociado a US$ 69,72 o barril.

A China, maior consumidor de energia do mundo, relatou vendas no varejo e industriais abaixo do esperado durante a noite de segunda-feira, alimentando temores sobre a recuperação global e a demanda por petróleo.

Dúvidas crescentes em relação ao vigor da demanda já estavam no centro das atenções antes dos dados, uma vez que a variante Delta do coronavírus já havia desencadeado novas restrições na China.

“No curto prazo, as preocupações sobre a propagação da variante Delta na China e os efeitos que isso terá sobre a demanda de petróleo continuam pesando nos preços”, afirmou o Commerzbank em nota. “Essas preocupações foram paralelamente intensificadas pelos dados publicados de ontem para hoje na China: a produção industrial acabou sendo significativamente mais fraca do que o previsto.”

Alguns em Wall Street, no entanto, continuam a acreditar que os preços do petróleo serão sustentados, uma vez que a perspectiva de crescimento global permanece forte e os estoques continuarão caindo.

O Morgan Stanley previu que os preços do petróleo Brent ficarão em torno de US$ 70 até o fim de 2021, e ainda serão mantidos bem acima de US$ 70 por barril ao longo de 2022.

“Essa expectativa se baseia em nossas previsões de forte crescimento global, uma forte tendência de queda nos estoques globais de petróleo e uma expectativa de que a Opep+ continuará a agir na moderação do mercado de petróleo”, acrescentou.

Mesmo com a expectativa de queda nos estoques, a Opep e seus aliados, incluindo a Rússia, têm enfrentado apelos da Casa Branca para aumentar ainda mais a produção, a fim de manter os preços do petróleo sob controle e sustentar uma recuperação global.

Em julho, a Opep e aliados liderados pela Rússia, ou Opep+, chegaram a um acordo para aumentar a produção em 400.000 barris por dia mensalmente a partir de agosto até o final de 2022 para restaurar o fornecimento que foi cortado no início da pandemia.

Porém, as principais nações produtoras de petróleo que fazem parte do acordo de corte/produção não estão dispostas a atender a esses apelos em meio às expectativas de que os aumentos de produção estipulados serão suficientes para atender a demanda, informou a Reuters na segunda-feira, mencionando fontes não identificadas.

CBios já subiram quase 45% em setembro na B3

Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) romperam a estabilidade registrada desde o início do ano, período em que se mantiveram abaixo de R$ 30 por tonelada de carbono, e dispararam em setembro na B3.

Preço dos combustíveis deve continuar elevado em 2022, diz XP

A XP divulgou projeção de alta para os combustíveis, que devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses, considerando a alta do preço do petróleo no mercado internacional, câmbio em R$ 5,20 no ano e em R$ 5,10 em 2022 e escassez de etanol, que são utilizados para reajustar preços na Petrobras.

Defasagem dos preços da gasolina diminui, mas do diesel se mantém, aponta Abicom

Os preços da gasolina praticados pela Petrobras no mercado brasileiro hoje têm uma defasagem média de 6% em relação aos preços internacionais, apontou levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).