Preços do petróleo no caminho certo para a pior perda semanal desde março

Os preços do petróleo subiram na manhã de sexta-feira, mas ainda caminhavam para seu pior desempenho semanal desde março, deprimidos pelo aumento dos casos de COVID em muitos países e novas restrições de viagens no maior importador de petróleo do mundo, a China.

A partir das 8h41 EDT de sexta-feira, o WTI Crude subia 0,59% para $ 69,80. O petróleo Brent estava sendo negociado em alta de 1,14% a $ 72,10.

Ambas as referências, no entanto, caíram mais de 5 por cento na semana, o pior resultado para os preços do petróleo desde março deste ano.

Esta semana, o petróleo caiu em três sessões consecutivas em meio a temores de que a variante Delta de disseminação mais rápida desaceleraria a demanda de combustível na China e no resto da Ásia. A China impôs novamente alguns freios massivos nas viagens e interrompeu o transporte público em várias cidades enquanto tenta manter sob controle a pior explosão de COVID desde o surto original em Wuhan. Em outros lugares na Ásia, país consumidor de combustível intensivo, Tailândia e Malásia relataram novos casos recordes diários na quinta-feira, as Filipinas colocaram sua capital Manila em um novo bloqueio , e o Japão relatou novos casos recordes em Tóquio. Alguns especialistas pediram que as medidas de emergência para Tóquio sejam expandidas para todo o país.

Enquanto a Ásia está travando novamente, os EUA e a Europa permanecem abertos, apesar do aumento de casos de variantes Delta lá também.

A maior preocupação com a demanda de petróleo agora vem da China e do resto da Ásia. A China está ordenando restrições e restrições às viagens muito cedo, com apenas várias dezenas de novos casos diários em sua tentativa de conter a propagação. Esses bloqueios estão afetando milhões de pessoas, o que pode diminuir a demanda por combustível.

“Pelo menos 46 cidades desaconselharam viagens e as autoridades suspenderam os voos e o transporte público. Isso pode impactar a demanda de petróleo, já que se aproxima do final da temporada de viagens de verão ”, disse a Reuters citando a ANZ em um relatório.

CBios já subiram quase 45% em setembro na B3

Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) romperam a estabilidade registrada desde o início do ano, período em que se mantiveram abaixo de R$ 30 por tonelada de carbono, e dispararam em setembro na B3.

Preço dos combustíveis deve continuar elevado em 2022, diz XP

A XP divulgou projeção de alta para os combustíveis, que devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses, considerando a alta do preço do petróleo no mercado internacional, câmbio em R$ 5,20 no ano e em R$ 5,10 em 2022 e escassez de etanol, que são utilizados para reajustar preços na Petrobras.

Defasagem dos preços da gasolina diminui, mas do diesel se mantém, aponta Abicom

Os preços da gasolina praticados pela Petrobras no mercado brasileiro hoje têm uma defasagem média de 6% em relação aos preços internacionais, apontou levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).