(Imagem: Reuters/Nick Oxford)

Investing.com – Os preços do petróleo bruto subiam na segunda-feira (23) em uma explosão sustentada por otimismo de que a distribuição de vacinas para tratar a Covid-19 permitirá uma recuperação completa na demanda de petróleo no próximo ano.

Por volta das 14h58 (horário de Brasília), os futuros do petróleo dos EUA subiam 1,4%, a US$ 43 o barril, tendo atingido uma máxima de dois meses durante a noite, a US$ 43,34, devido a notícias de um ataque a um centro de distribuição de petróleo da Arábia Saudita por rebeldes Houthi baseados no Iêmen. A notícia desencadeou brevemente memórias do ataque muito mais perturbador no ano passado às instalações do oleoduto em Abqaiq. No entanto, a substância do incidente de segunda-feira foi dificilmente comparável.

Os futuros do petróleo bruto Brent subiam 1,8%, a US$ 45,90 o barril, saindo de uma alta intradiária de US$ 45,90, que também foi uma máxima de dois meses.

Os futuros da gasolina RBOB dos EUA subiam 2,6%, a US$ 1,2060 o galão.

Três empresas de biotecnologia anunciaram que suas vacinas são eficazes na prevenção de pelo menos 90% dos casos de Covid-19. A vacina desenvolvida pela última a anunciar seus resultados, a AstraZeneca (LON:AZN), é responsável por cerca de 40% das vendas preliminares de vacinas para países de baixa e média renda e deve garantir que uma vacina eficaz seja amplamente distribuída nos mercados globais.

Dados da Commodity Futures Trading Commission na sexta-feira sugeriram que os gestores de dinheiro estão pensando na recuperação da demanda de 2021 com mais entusiasmo, com um segundo grande aumento semanal nas posições longas líquidas em futuros de petróleo.

O otimismo para 2021 ainda tem que olhar para os problemas de demanda de curto prazo, entretanto. Os EUA continuam relatando níveis extremamente elevados de novas infecções e número recorde de pessoas internadas no hospital com o coronavírus.

Os estados e municípios dos EUA continuam a restringir as reuniões sociais (o governador de Nevada, Steve Sisolak, fechou os cassinos em Las Vegas no fim de semana). No entanto, há primeiros sinais na Europa de que a recente onda de bloqueios está prestes a relaxar. A França anunciou na sexta-feira e o Reino Unido na segunda-feira planos para relaxar as restrições antes da temporada de compras de Natal, que tem grande relevância econômica (18% das vendas no varejo anualmente acontecem nas seis semanas anteriores ao Natal, de acordo com Paul Donovan, economista-chefe do UBS Global Wealth Management).

Além disso, houve confusão sobre as notícias de que o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, encontrou-se com Benyamin Netanyahu, no que teria sido o primeiro encontro de chefes de governo sauditas e israelenses. O Ministério das Relações Exteriores saudita negou publicamente as notícias.

Fonte: Investing.com

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Produção de petróleo do Brasil recua em setembro, para 2,9 milhões bpd, diz ANP

A produção de petróleo do Brasil em setembro totalizou 2,907 milhões de barris por dia (bpd),…

Consumo de combustíveis tem pior março desde 2011, aponta ANP

No primeiro mês de medidas de restrição à circulação de pessoas, como estratégia de enfrentamento à pandemia da covid-19 no Brasil, o consumo de combustíveis caiu 5,3% em março, na comparação com igual período do ano passado.

Longo x curto prazo: Petróleo chega aos US$ 50 sob perspectiva das vacinas, mas avanço da Covid desafia

Investing.com –  Os Estados Unidos tiveram sua pior semana para casos de Covid-19,…

Petróleo Brent atinge maior nível desde março após acordo de oferta da Opep+

Por Scott DiSavino NOVA YORK (Reuters) – Os preços do petróleo Brent,…