© Reuters.

Investing.com – Os preços do petróleo bruto voltaram a subir acima de US$ 40 o barril nos EUA na quarta-feira (14), após uma melhora moderada das perspectivas de curto prazo da Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês), que previu uma queda clara nos estoques mundiais no último trimestre de 2020.

Por volta das 11h15 (horário de Brasília), os futuros do petróleo dos EUA subiam 1,9%, a US$ 40,95 o barril, enquanto o contrato de referência internacional Brent subia 1,6%, a US$ 43,13 o barril.

Os futuros de gasolina RBOB subiam 1,2%, a US$ 1,1971 o galão.

Em seu relatório mensal do mercado de petróleo, publicado na quarta-feira, a IEA disse que suas estimativas para a oferta e demanda globais implicam uma queda média de 4 milhões de barris por dia nos estoques mundiais no trimestre atual. A agência também observou que o volume de petróleo em armazenamento flutuante – tipicamente uma indicação de fraca demanda spot – caiu cerca de um terço somente em setembro, para pouco mais de 139 milhões de barris.

Os comentários da IEA vieram algumas horas antes da estimativa semanal do American Petroleum Institute dos estoques dos EUA, que devem ter caído 3,36 milhões de barris na semana passada. Os dados da API, como os do governo, estão atrasados ​​um dia nesta semana devido ao feriado de segunda-feira nos EUA.

Os preços também estão sendo sustentados por especulações de que o bloco de produtores Opep+ sinalizará a disposição de adiar o aumento programado na produção no final do ano, atento à fragilidade da demanda global à medida que mais e mais países apertam as restrições à vida econômica e social para conter o vírus da Covid-19. O vírus se espalhou rapidamente por toda a Europa, em particular com a aproximação do inverno do hemisfério norte.

Especialistas técnicos do bloco Opep+ devem se reunir em Viena na sexta-feira, antes de uma reunião ministerial na próxima terça-feira.

Suhail al-Mazrouei, o ministro do petróleo dos Emirados Árabes Unidos, disse na quarta-feira que o bloco ainda pretende devolver quase 2 milhões de barris por dia de produção aos mercados mundiais a partir de janeiro.

No entanto, a capacidade do mercado mundial de absorver essa oferta extra está em questão. Não apenas a demanda pode não ser forte o suficiente, mas a Líbia – um membro da Opep que está isento das cotas atuais por causa das adversidades causadas por sua guerra civil – está agora aumentando a produção depois que um acordo de paz permitiu que seu maior campo, El Sharara, retomasse a produção. A IEA disse que a produção da Líbia pode chegar a 700.000 barris por dia até o final do ano.

Fonte: Investing.com

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Gasolina mais cara não mexe com etanol na fábrica em semana sem liquidez

A gasolina 5% mais cara na refinaria a partir desta terça (29) não deverá ter reflexo…

Produção global de etanol não retomará nível pré-Covid até 2022, diz conselho dos EUA

A produção global de etanol deve ser 20% menor este ano, à medida que…

Exportações de Commodities do Brasil em 2020 têm recordes que vão do petróleo ao café

Apesar dos impactos da pandemia de Covid-19 em 2020, o Brasil registrou…