Apesar do dólar mais comportado e da pausa dada pela Petrobras nos reajustes cobrados nas refinarias, o consumidor não tem trégua na hora de abastecer o carro. Desta vez, o vilão é o etanol, que aumentou devido à quebra da safra de cana-de açúcar

A analista Laise Leal Luz, e o marido, José Antônio Ferreira, servidor público, passaram a dividir o mesmo carro para economizar: “Valores absurdos” – (crédito: Ed Alves/CB/D.A Press )

Mesmo com o dólar em baixa e sem que a Petrobras tenha anunciado novos aumentos nas últimas semanas, os preços dos combustíveis não caem para o consumidor. De acordo com a ValeCard, empresa especializada em soluções de gestão de frota, o valor médio da gasolina cobrado nos postos, na primeira quinzena de maio, subiu 0,91% em relação a abril, com média de R$ 5,789 por litro. Em relação ao etanol, a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) informou que o preço médio é de R$ 4,247.

E é justamente o etanol a explicação para o fato de a gasolina não baixar nas bombas. No Brasil, a gasolina tem 27% de etanol na sua composição. Assim, qualquer elevação nos preços do derivado da cana-de açúcar acaba se refletindo nos preços. De acordo com Paulo Roberto Tavares, presidente do Sindicombustíveis do Distrito Federal, a quebra da safra de cana, devido à falta de chuvas, diminuiu a produção de álcool e, com a pouca disponibilidade do produto, o valor de comercialização aumentou.

Essa situação tem refletido no bolso da população, como conta a analista de sistemas Laise Leal Luz, 46 anos, que diminuiu o uso do carro devido ao alto custo para abastecer o veículo. “O aumento no preço dos combustíveis, além de ser constante, estabelece valores absurdos” lamentou. Ela e o marido, José Antônio Ferreira, servidor público, 61 anos, evitam a utilização do automóvel para pequenas distâncias e agora dividem o mesmo carro como uma forma de economizar combustível. “Quando preciso andar de carro, uso o da minha esposa, por ser mais econômico”, afirmou o servidor.

Segundo o presidente do Sindicombustíveis, toda a produção de etanol para 2021 e 2022 já foi adquirida pelas distribuidoras e não há produto “na prateleira”. E haverá uma redução significativa na oferta de cana, principalmente em São Paulo, no Triângulo Mineiro e no Paraná. “Com a falta de chuvas, as usinas atrasaram o início de safra, e o aumento da oferta só deve acontecer a partir da segunda quinzena de junho. A redução na produção de açúcar será mais forte que a do etanol, pois a quebra de safra está concentrada na região mais açucareira, não acontecendo o mesmo nos demais estados do Centro-Sul”, explicou.

Para tentar reduzir os preços da gasolina, A Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes (Fecombustíveis) pediu ao governo que a mistura de etanol seja reduzida para 18%. A entidade alegou que as empresas associadas têm enfrentado dificuldades para adquirir etanol anidro suficiente para a mistura obrigatória, causando atrasos nas entregas do combustível aos postos.

Porém, Antonio de Pádua Rodrigues, diretor técnico da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), que representa as principais usinas produtoras da região Centro-Sul, principalmente do estado de São Paulo, rechaça a ideia. “A presença de etanol anidro como oxigenante da gasolina traz benefícios econômicos, técnicos e ambientais em relação aos combustíveis fósseis. O etanol permite um melhor aproveitamento do refino interno, reduz a necessidade de importação de combustíveis e proporciona redução de 15% nas emissões de gases de efeito estufa em comparação à gasolina pura”, argumentou.

Para ele, a medida poderia inclusive prejudicar a imagem do Brasil no exterior, já que acarretaria o aumento das emissões de gases responsáveis pelo aquecimento global.
Com o aumento do etanol, os consumidores preferem abastecer com gasolina, como contou o assistente jurídico Gabriel Vicente, 25 anos, que enche o tanque do carro duas vezes no mês. “Com o preço do etanol aumentando, não vale a pena colocar etanol. Quase sempre abasteço com gasolina comum. E sempre procurando o melhor preço.”

Fonte: Correio Braziliense

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Bolsonaro desafia Doria a zerar imposto sobre combustível

O presidente da República, Jair Bolsonaro, desafiou nesta sexta-feira, 15, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), a reduzir os impostos estaduais sobre combustíveis.

EUA voltam a ligar para sauditas antes reunião da Opep+ sobre nível de oferta

Os Estados Unidos disseram em uma ligação telefônica com a Arábia Saudita que os preços de energia devem ser mantidos em níveis acessíveis para os consumidores, com a administração do presidente Joe Biden retomando a prática de Donald Trump de ligar para a líder da Opep para queixas sobre preços.

Conheça os Possíveis Cenários para o Petróleo na Próxima Reunião da Opep

Duas organizações de destaque divulgaram suas previsões atualizadas sobre a demanda petrolífera…

ICMS sobre combustível divide Estados e postos

A mudança de tributação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre combustíveis proposta pelo governo federal para garantir maior estabilidade de preços divide opiniões. Enquanto os postos de gasolina são favoráveis ao projeto, na ala contrária estão os Estados. Especialistas apontam que, se o objetivo é conter o aumento de preços na bomba, é preciso um debate mais amplo.