Preços dos combustíveis recuam na semana, diz ANP

De acordo com o levantamento da ANP, o valor médio do litro da gasolina para o consumidor para R$ 4,298.

Os preços dos combustíveis caíram na semana, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (03) pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

De acordo com o levantamento da ANP, o valor médio do litro da gasolina para o consumidor recuou 2,31%, para R$ 4,298. Já o preço do litro do diesel caiu 1,6% no período, para R$ 3,437, em média.

O litro do etanol recuou 3,2%, para R$ 3,039.

Os valores são uma média calculada pela ANP com dados coletados em postos em diversas cidades pelo país. Os preços, portanto, variam de acordo com a região.

No acumulado do ano, a gasolina tem queda de 5,7%, o diesel já caiu 8,3% e o etanol recuou 3,7%.

Neste momento, a queda do valor dos combustíveis se dá pela combinação do baixo patamar do preço do petróleo e pela fraca demanda diante do impacto provocado pelo coronavírus na economia.

Fonte: G1 Economia

Etanol segue assombrado por Petrobras (PETR4) desidratar mais a gasolina, após o diesel

O etanol hidratado foi poupado no final da semana passada, quando a Petrobras (PETR4) apenas diminui o preço do diesel. Mas seguiu e segue assombrado pela possibilidade real de que a estatal reduza a gasolina também.

Goldman Sachs reduz projeções para petróleo no curto prazo, mas segue vendo preços acima de US$ 100 o barril

Os preços do petróleo brent tiveram queda de 25% desde o início de junho, fechando a última sexta-feira (5) na casa dos US$ 94 o barril, sendo puxados recentemente por uma crescente gama de preocupações: recessão, política de Covid-zero da China e setor imobiliário, liberação de reservas estratégicas dos EUA e produção russa se recuperando bem acima das expectativas.

ANP rejeita aumento de estoques mínimos de diesel, em alívio para distribuidoras

A diretoria da ANP rejeitou nesta sexta-feira, 5, uma proposta de aumento de estoques mínimos de diesel A (puro) S10 entre setembro e novembro para mitigar riscos de desabastecimento em meio à oferta global apertada do combustível, mas aprovou um reforço do monitoramento do suprimento nacional.